85% das mulheres do Reino Unido não denunciam estupro, segundo pesquisa

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Janeiro 2013

Apenas 15% das mulheres vítimas de estupro e agressão sexual na Inglaterra e no País de Gales denunciam o crime à polícia. Grande parte das vítimas diz optar por não ir à polícia por ser "constrangedor" ou pelo fato de elas considerarem o ataque "demasiado trivial" ou algo "que não vale a pena reportar". Algumas ainda não denunciam porque "não acreditam que a polícia pode fazer muito para ajudar", de acordo com novos dados oficiais divulgados na semana passada.

A reportagem é de Amelia Gentleman e publicada no jornal Herald Tribune, 16-01-2013.

As estatísticas aparecem no documento "Uma Visão Geral sobre os Crimes Sexuais", a primeira publicação do tipo feita pelo Ministério da Justiça e pelo Ministério do Interior britânicos. Os dados também revelaram que uma em cada cinco mulheres foi vítima de um crime sexual desde seus 16 anos de idade, e que há cerca de 400 mil mulheres adultas vítimas de crimes sexuais todos os anos no Reino Unido, incluindo 69 mil vítimas de estupro ou tentativa de estupro.

A divulgação desses números alarmantes foi seguida, um dia depois, por um relatório da polícia contendo a descrição completa dos crimes sexuais cometidos pelo falecido apresentador da BBC, Jimmy Savile --documento que contabilizou 34 estupros entre 450 queixas individuais contra Savile e revelou que a grande maioria das vítimas que conseguiu superar o constrangimento e denunciar as agressões enquanto o apresentador ainda estava vivo foram desacreditadas.

A informação provocou uma onda de reflexão sobre as atitudes adotadas em relação ao estupro no Reino Unido – e forçou uma mudança abrupta e estridente de foco geográfico.

Durante o mês passado, os jornais e canais de notícias do Reino Unido vinham dedicando atenção considerável aos detalhes revelados após o estupro coletivo e assassinato de uma estudante de fisioterapia em Nova Déli, na Índia – com comentaristas fazendo fila para discutir como a Índia é um país que tem lutado contra uma profunda misoginia e para condenar a relutância oficial em enfrentar seriamente a questão da violência contra as mulheres.

Criticar despreocupadamente as falhas das atitudes em relação às mulheres a milhares de quilômetros de distância é fácil. Focar no motivo pelo qual tão poucas mulheres têm denunciado crimes no Reino Unido vem se mostrando mais difícil.

Na última sexta-feira (11), o diretor da promotoria pública, Keir Starmer, pediu desculpas às vítimas de Savile – e solicitou às vítimas de qualquer tipo de abuso sexual que tenham sentido que suas queixas não foram levadas a sério para contatar a polícia novamente e fazer com que seus casos sejam revistos por novos painéis que serão criados em todo o país.

Este será um "divisor de águas" em relação à maneira como as vítimas de agressão sexual serão tratadas, prometeu Starmer, ressaltando que é importante que se acredite na palavra das vítimas.

Grupos de ativistas também esperam que este seja um momento crucial para o início da mudança.

"Temos que mudar a cultura e as atitudes que permitem que o comportamento abusivo não seja reprimido", afirmou uma declaração da organização End Violence Against Women Coalition (Coalisão pelo Fim da Violência contra as Mulheres).

"Agora existe uma oportunidade real para transformarmos o Reino Unido em líder global no modo como lidamos com a violência sexual e com outros tipos de violência contra mulheres e meninas". Os baixos índices de condenação por estupro são, provavelmente, parte do motivo pelo qual muitas mulheres britânicas acreditam que a polícia não pode "fazer muito para ajudar".

Ativistas já estimaram que apenas 6% das acusações de estupro relatadas à polícia resultaram em condenação por estupro. Mas esse total, que tem sido amplamente citado, sempre se mostrou controverso e é contestado pela polícia – e, cada vez mais, ele é visto como parte do problema, pois gera nas vítimas uma postura tão cínica em relação ao sistema que elas decidem não apresentar queixa.

As últimas estatísticas apresentadas pelo relatório "Uma Visão Geral sobre os Crimes Sexuais" na semana passada sugerem que os índices de condenação estão melhorando – se olharmos para os casos que chegam aos tribunais. Dos casos julgados em tribunal, 62,5% terminaram em condenação.

As diretrizes adotadas pela polícia para que as vítimas de estupro sejam tratadas com mais delicadeza e tato estão em vigor há algum tempo. Os membros das equipes que investigam crimes de violência sexual recebem treinamento para falar de forma adequada com as vítimas que foram estupradas.

Esses entrevistadores sabem que, embora eles possam fazer perguntas relacionadas à "quando", "onde", "o quê" e "como" ocorreu o estupro, eles nunca devem perguntar à vítima "por quê?" e, especialmente, nunca devem inquirir "por que você fez isso?", pois esse tipo de pergunta coloca em cheque as decisões tomadas pela mulher e sugere uma transferência de parte da culpa do criminoso para a vítima.

Uma visita a um dos mais respeitados centros de referência sobre agressão sexual do Reino Unido (onde as vítimas são tratadas com bastante tato e passam de modo bem acelerado pelo interrogatório policial e pelo exame médico para que nenhuma prova seja perdida) mostra que, quando esses centros estão bem equipados e recebem recursos suficientes, eles oferecem excelentes serviços.

Mas, embora um trabalho considerável tenha sido feito para melhorar a atitude da polícia em relação aos casos de estupro, o público em geral (que compõe os júris que analisam casos de estupro nos tribunais) continua se mostrando muito crítico. Não se espera que vítimas de roubo provem que foram assaltadas, pois as pessoas tendem a acreditar nelas. Já as vítimas de estupro ainda têm que provar que algo aconteceu a elas e necessitam justificar suas ações.

E é notável a frequência com que atitudes que não ajudam em nada são adotadas por pessoas que deveriam dar o exemplo. O experiente político conservador Kenneth Clarke teve problemas no ano passado quando ocupava o cargo de secretário de justiça e deu uma entrevista na qual que usou o termo "estupro sério" – sugerindo de forma inadvertida que, para ele, havia categorias de estupro menos graves.

Em seguida, houve o caso de um editor sênior da BBC que, ao explicar por que ele optou por não colocar no ar um programa sobre os crimes de Savile no ano passado, despreocupadamente disse que não havia provas suficientes no material – e utilizou a frase agora notória que o programa continha apenas "as mulheres" – ou seja, apenas os testemunhos das próprias vítimas.

Com atitudes como essas, não é de surpreender que 85% das vítimas, quando questionadas por que de optaram por não relatar os ataques que sofreram, afirmaram que o processo todo era muito constrangedor e, no final das contas, inútil

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

85% das mulheres do Reino Unido não denunciam estupro, segundo pesquisa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV