O capitalismo e a economia política da mudança climática

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 16 Janeiro 2013

Aqueles que procuram nos governos ocidentais uma resposta eficaz encaram dois desafios. Primeiro, em face do aquecimento global, a premissa do capitalismo, que os indivíduos agindo em seus interesses individuais produzam bons resultados coletivos, é comprovadamente falsa. Este sistema tem aparentemente produzido o pior de todos os resultados: falha ambiental catastrófica que ameaça a maior parte da vida no planeta. O comentário é de Rob Urie, artista e economista político, em artigo publicado por Carta Maior, 15-01-2013.

Eis o artigo.

Em relatórios, 2012 foi o ano mais quente da história registrada nos EUA. A última década foi a mais quente já registrada globalmente. Mesmo para aquelas que sustentam outras hipóteses também se encaixam o aquecimento global, a consistência do aquecimento, a probabilidade conjunta em termos estatísticos, deve dar uma pausa, porque as consequências estão (1) muito longe e (2) são potencialmente catastróficas em relação a experiência humana anterior. Hipóteses alternativas não só precisam ser plausíveis em um sentido geral, eles exigem explicações específicas de como consistentemente o clima se aqueceu. Na verdade, não há outras explicações plausíveis para ambas a direção e a consistência das mudanças climáticas.

A hipótese do aquecimento 'causado pelo homem' se encaixa razoavelmente bem no cronograma do crescimento do capitalismo industrial. A indústria não capitalista, mais recente na história, porém existente, no entanto, acompanhou o imperialismo capitalista - a propagação do capitalismo global como um sistema de controle, dominação e expropriação. Em certa medida o crescimento do setor não capitalista tem sido uma reação à ameaça do imperialismo capitalista. Ele representa uma ameaça tanto interna como externa para as economias não capitalistas, na medida em que elas ainda existem. Na verdade, o capitalismo foi concebido para trazer uma ordem política alternativa e parece ter feito bastante sucesso.

O capitalismo é apresentado como um modo de organização social que gera muita riqueza. Que o imperialismo capitalista conseguiu desapropriar vasta riqueza é muito evidente. Se as consequências catastróficas do aquecimento global acontecerem, essa riqueza terá provado ser uma ilusão. Em um sentido filosófico, parece uma metáfora que entramos neste mundo com nada e deixá-lo-emos com nada, por que então a dedicação de vidas inteiras para aquisição de material constitui uma explicação plausível para a existência como capitalistas a tem? E por que um sistema baseado em racionalidades locais, esforço econômico pessoal, como Adam Smith, proprietário de uma pequena loja organizada dentre corporações globais, seria esperado a levar às racionalidades globais - resultados coletivos positivos, fora da lógica interna da ideologia capitalista?

Um pouquinho de aritmética ajuda a explicar muita coisa. Receitas - Despesas = Lucro. Lucros aumentam se os custos suportados pelos produtores caírem. O motivo de lucro, em produções capitalistas garante que custos de produção sejam forçados para outros, a menos que o capitalista seja obrigado a suportá-los. E a não ser que alguém queira argumentar que as criaturas do mundo não precisam de lugar para morar, comida para comer e água potável para beber, a destruição destes em produção capitalista é um custo, a cargo do produtor ou de ser suportado por outros. Até mesmo o mais radical economistas capitalistas de 'livre mercado' concordam que este conjunto de relações é um pré-requisito para o capitalismo, de qualquer forma: "trabalho." E a produção que ameaça acabar com o mundo, como o aquecimento global faz, significa que "lucros" da dita produção não existiriam se os capitalistas foram forçados a suportar os seus custos reais.

Aqueles que mesmo casualmente passaram por regiões de extração capitalista e / ou de produção industrial viram que os capitalistas quase nunca foram forçados a suportar os custos da produção capitalista. Das regiões de carvão da Pensilvânia para os locais industriais abandonados do ‘Rust Belt’, para os locais de extração de recursos envenenados no Ocidente a remoção do topo da montanha em West Virgínia, para as "areias de asfalto” de regiões do Canadá para minas de carvão na Mongólia, os custos em termos de não habitabilidade da terra e destruição de generosidade do planeta permanecerem enquanto os lucros acumulam-se.

Depois de esgotar os recursos e causando destruição os capitalistas historicamente simplesmente mudaram-se para territórios não empobrecidos e não destruídos ainda. A "tragédia dos comuns" usada na teoria da propriedade capitalista seria um inconveniente menor ao lado da "tragédia da propriedade privada" perpetrada pelo capitalismo, mesmo se já não fosse uma mentira cínica (ver o último quinto de O Capital de Marx, Vol. I para o contexto).

Mas este não é um conto de moralidade. Nem é o aquecimento global um acidente da história que ninguém assume a responsabilidade. É a épica luta social do nosso tempo. O capitalismo é uma forma de imperialismo econômico de que determinadas pessoas foram beneficiadas e continuam a se beneficiar da destruição do planeta. Os "indivíduos racionais" da teoria capitalista têm agregada a insanidade coletiva. E como a história está no processo de demonstração, a "mão invisível" de Adam Smith é uma ilusão - um mundo de pessoas que atuam em seus próprios estreitos interesses econômicos resultou em um mundo onde as pessoas agem em seus próprios estreitos interesses econômicos até o suicídio coletivo.

Muito antes de o aquecimento global ser identificado, o problema das "externalidades", ou a tendência dos capitalistas para forçar seus custos de produção para as pessoas que veem nenhum benefício a partir dele, foi identificada e remédios foram procurados. Antes de se tornar uma ferramenta de Papa Koch, pai do infame 'Koch Brothers' e fundador da John Birch Society, o economista austríaco Friedrich Hayek argumentou que o papel legítimo do governo era para corrigir tais 'falhas de mercado' como a destruição ambiental. Mais tarde em sua vida, quando ele era totalmente uma ferramenta do capitalismo de Papa Koch, ele convenientemente (por causa de Papa Koch) argumentou que o capitalismo foi uma bênção para a humanidade e que soluções para as externalidades “baseadas no mercado” eram preferidas.

Mas soluções baseadas no mercado para externalidades são uma farsa cínica em várias dimensões. Inicialmente, elas pressupõem produção ambientalmente destrutiva é fato eterno e o objetivo de "soluções" é limitar o crescimento a um nível de tendência que permanece coletivamente suicida. No segundo, em face de toda a experiência histórica em contrário, soluções baseadas no mercado assumem os mesmos capitalistas que passaram três séculos lucrando a partir da imposição de seus custos para os outros vão cumprir as regras, que eles mesmos claramente escreveram com pleno conhecimento que não existe, e não há planos para criar, um sistema confiável.

No terceiro, mesmo que tal sistema de aplicação fosse concebido e desenvolvido, a captura "privada" das instituições do Estado iria neutralizar a capacidade de execução. Finalmente, produção por dívida financiada cria tanto alavancagem financeira como institucional. Credores beneficiam-se quando os custos de produção são transferidos para os outros, porque melhora a sua probabilidade de reembolso - e os credores controlam o dinheiro em uma economia baseada em dívida. A alegação de que mais capitalismo é a solução para as catástrofes do capitalismo só tem sentido em um sistema de lógica fechada; não existe um nível de catástrofe que tornaria "mais capitalismo" ilógico dentro das regras internas desta lógica.

Da mesma forma, a alegação que "consumidores" individuais podem resolver o aquecimento global através da escolha de produtos ecologicamente 'corretos' começa com a premissa de que os consumidores causam externalidades através da sua "escolha" de produtos. Primeiro esta afirmação assume que todos os consumidores conhecem os processos que envolvem a produção de bens e serviços, são capazes de quantificar a proporção de custos embutidos no preço dos produtos, versus aqueles que não são, e realmente tem escolhas. Segundo, ele assume que os consumidores não têm necessidades materiais. Agropecuária ocidental, de onde a maioria da comida dos ocidentais vem, é um dos principais contribuintes para o efeito estufa. A mudança para práticas agrícolas sustentáveis implausivelmente assume que os consumidores, tanto compreendem o impacto das práticas existentes como podem forçar uma mudança vinda de baixo. Terceiro, mais uma vez assume que o capitalismo é a solução para as catástrofes que o capitalismo cria - pessoas agindo em seu próprio interesse econômico irão agregar-se para servir o interesse do coletivo, mesmo não tendo sido bem sucedidos no passado.

Na verdade, a premissa de consumidores renunciando seus próprios interesses econômicos para servir ao bem coletivo, coloca uma mentira para a fundamental premissa do capitalismo. Em outras palavras, uma vez que é certo que "consumidores" poderiam e deveriam agir no interesse coletivo, a lógica interna do capitalismo rapidamente desaparece. Imperialismo capitalista está destruindo o planeta, principalmente para os seres que veem poucos benefícios (e muitas vezes grande mal) do sistema.

A única maneira de isso não constituir um assassinato em massa em uma escala nunca antes imaginada na história humana, é se o aquecimento global não for realmente uma ameaça; se a produção capitalista não esteja por trás disso, ou nenhuma das duas combinações. Apparatchiks capitalistas estão perseguindo dois caminhos em resposta - substituir o discurso social em torno da questão com uma resposta comercial - que utiliza todos os meios disponíveis para persuadir as pessoas que o problema não é real e / ou que as pessoas responsáveis por ele não são as responsáveis. A segunda faixa é propor soluções que (1) não questionem a natureza do problema - a economia política do capitalismo responsável pelo aquecimento global e (2), fornecer a aparência de uma solução sem uma ação eficaz tendo lugar.

Aqueles que procuram nos governos ocidentais uma resposta eficaz encaram dois desafios. Primeiro, em face do aquecimento global, a premissa do capitalismo, que os indivíduos agindo em seus interesses individuais produzam bons resultados coletivos, é comprovadamente falsa. Este sistema tem aparentemente produzido o pior de todos os resultados: falha ambiental catastrófica que ameaça a maior parte da vida no planeta.

Se a teoria dos interesses individuais que se acumulam para o bem coletivo é falsa, então o é também a concepção liberal clássica do Estado. Se o papel do Estado, como imaginado na teoria capitalista, é a proteção dos interesses "privados" e os interesses privados estão levando o mundo para o suicídio coletivo (ou melhor, homicídio capitalista), o estado deve ser recuperado para servir os interesses coletivos.

Como os interesses privados atualmente no controle do Estado estão apertando sua permanência no poder através da construção de um estado policial corporativo, deixo aos leitores a propor contramedidas não confrontais susceptíveis de serem eficazes. Caso contrário, o aquecimento global é o confronto forçado em cima de nós.

Finalmente - Thomas Malthus foi provado um prisioneiro de sua ideologia de entropia, uma previsão de fome em massa com uma crescente população enfrentando um abastecimento de alimento estático. Sr. Malthus estava escrevendo nos estágios iniciais da expansão global do capitalismo.

As tecnologias agrícolas ligadas à produção capitalista expandiu a oferta de alimentos para alimentar a população crescente. Na verdade, o capitalismo reengenhou "o mundo" para ser dependente de produção capitalista.

Soluções tecnológicas para o aquecimento global, sem dúvida, serão colocadas à frente e testadas. Mas a tecnologia está inexoravelmente ligada à lógica da produção capitalista, enquanto o capitalismo está a emergir como ‘o problema’. Só uma mudança fundamental para fugir dos estabelecimentos do capitalismo irá fornecer soluções viáveis. E o aquecimento global é um problema gradual de um sistema político que responde à crise. Uma política de crise em torno do aquecimento global deve surgir para a ação política eficaz coalescer.