Irmão Alois de Taizé: temos necessidade uns dos outros

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Irã. A história política do país persa, xiita e anti-imperialista

    LER MAIS
  • Com acusação de ambientalistas que trabalham na proteção da Amazônia, "o medo está instalado", diz Libération

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Janeiro 2013

"Não esperemos que o caminho da unidade seja programado até seu cumprimento, antecipemos a reconciliação! Não podemos mais manter as separações. Por causa das nossas divisões o sal da mensagem evangélica está perdendo o seu sabor", adverte o irmão Alois, prior da Comunidade de Taizé em texto apresentado no encontro europeu de oração, promovido pela Comunidade de Taizé, no final de dezembro, em Roma.

O texto foi reproduzido pelo blog Sperare per tutti, de Christian Albini, 02-01-2013. A tradução é de Benno Dischinger.

Eis o texto.

Ontem, ao anoitecer, anunciei as próximas etapas de nossa peregrinação em atitude de confiança. Mas, esta peregrinação continua também e acima de tudo na vida cotidiana de cada um de nós.

Tornar-nos peregrinos para criar elos de comunhão e de amizade, é necessário por toda parte. Com os nossos mais caros, com aqueles e aquelas com os quais vivemos. Temos necessidade uns dos outros, já que – num certo sentido – todos nós somos pobres.

Também temos necessidade uns dos ouros na vida das nossas sociedades. O desenvolvimento e o progresso não podem mais ser reservados a alguns, enquanto a maior parte da humanidade empobrece. As dificuldades econômicas que aumentam não nos impelem a uma solidariedade menor, mas uma solidariedade maior.

O compartilhamento dos bens materiais, longe de ameaçar o nosso bem-estar, pode fazer-nos florescer como pessoas e conduzir-nos à alegria de viver. Nestes dias muitos de vós encontraram um encorajamento, descobrindo iniciativas concretas de solidariedade aqui em Roma, por exemplo, aqueles que se preocupam de dar um trabalho aos jovens ou de sustentar os refugiados.

E também necessitamos uns dos outros na relação entre povos e continentes. Uma das causas da injustiça no mundo se encontra na ignorância recíproca. Se conhecêssemos mais diretamente certas situações, descobriríamos mais facilmente como superar as contraposições.

O Cristo nos reúne de todas as línguas e de todos os povos. Como deixar arder em nós a paixão pela  unidade, aquele fogo que o Cristo veio acender sobre a terra?

No dia primeiro de janeiro, é a jornada da paz. Se nós, cristãos, tomássemos juntos um empenho prioritário pela justiça e pela paz, poderia nascer uma nova vitalidade do cristianismo. Um cristianismo humilde, que nada impõe, mas que é sal da terra.

Por isso, é importante que nos ponhamos juntos, nós, provenientes de diversas tradições cristãs. Não esperemos que o caminho da unidade seja programado até seu cumprimento, antecipemos a reconciliação! Não podemos mais manter as separações. Por causa das nossas divisões o sal da mensagem evangélica está perdendo o seu sabor.

Como batizados, pertencemos todos a Cristo, fazemos parte do Corpo de Cristo. Que nossa identidade de batizados venha primeiro, que passe à frente de nossa identidade confessional!

Recusemo-nos a fazer separadamente o que podemos fazer juntos. Visitemo-nos uns aos outros. Há também uma incompreensão recíproca entre as diversas tradições cristãs. Quando a superamos, descobrimos nos outros  tesouros do Evangelho.

Voltemo-nos juntos humildemente para o Cristo, quem sabe, em silêncio. Escutemos juntos sua palavra. Procuremos juntos o seu vulto, como o estamos fazendo nestes dias.

Então o Espírito Santo vem, como no Pentecostes. E juntos podemos por em prática o apelo de Cristo: “Sereis meus testemunhos até as extremidades da terra”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Irmão Alois de Taizé: temos necessidade uns dos outros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV