Cardeal denuncia governo de Honduras por ''roubar'' os pobres

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • As religiões morrem, mas o catolicismo sobreviverá: menos europeu e mais global

    LER MAIS
  • O toque de recolher das mulheres brasileiras

    LER MAIS
  • As "últimas conversas" de Ratzinger: do "gosto pela contradição" ao "prazer do encontro". Artigo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

07 Janeiro 2013

O cardeal hondurenho Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga criticou no dia 2 de janeiro os últimos governos de Honduras por não cumprir os compromissos de investimento contra a pobreza assumidos pelo país quando foram perdoados 4 bilhões de dólares da dívida externa.

A informação é do sítio Religión Digital, 03-01-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O prelado qualificou de "roubo" a atuação da classe política do seu país. A população de Honduras é de 8,2 milhões de habitantes, e cerca de 70% vivem na pobreza. Além disso, é a nação com mais violência do mundo não envolvida em uma guerra.

Com o apoio do cardeal, o ex-presidente Ricardo Maduro (2002-2006) alcançado em 2005 o perdão da dívida externa com várias organizações internacionais, mas o país continuou endividando-se, e sete anos depois a dívida alcança os 4 bilhões de dólares.

O arcebispo de Tegucigalpa lembrou que "a condição que nos foi posta para perdoar a dívida externa era de que o dinheiro que devia ser pago em juros fosse usado para aliviar a pobreza. E o roubaram, e é preciso dizer assim, porque foi isso que aconteceu".

"Quando se tomam fundos do Estado para interesses pessoais, isso é roubo", disse ele à rede de rádio HRN. "E a fé cristã estabelece que só se obterá o perdão se for devolvido o que foi roubado", disse.

"Todos aspiramos a viver em paz. No entanto, o mundo se debate em tantas guerras, e Honduras, em tanta violência", também lamentou o cardeal.

Segundo as Nações Unidas, Honduras é o país sem conflito bélico mais violento do mundo, onde a cada dia morrem, ao menos, 19 pessoas, com 92 homicídios a cada 100 mil habitantes em 2012.

"Na nossa Honduras, é preciso desarmar o que há no coração: ódio, violência e maldade", pediu o cardeal Rodríguez, que instou os seus compatriotas a "construir uma convivência baseada na verdade, liberdade, amor e justiça".