Obra do PAC causa conflito na Amazônia

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • Justiça de São Paulo anula julgamentos de PMs pelo massacre do Carandiru

    LER MAIS
  • Um regime anômalo sem direção definida. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • “Sem Cerrado, sem água, sem vida”: campanha nacional em defesa do Cerrado é lançada em Brasí

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 02 Janeiro 2013

A construção de uma linha de transmissão de energia de 1.800 km, ligando o sudeste do Pará a Macapá e a Manaus, se tornou um foco de conflito com moradores.

A reportagem é de Aguirre Talento e publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, 30-12-2012.


Obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o linhão do governo federal passa por unidades de conservação e, segundo moradores, tem provocado desmatamento e poluição. Também atravessa terras de agricultores, que reivindicam indenização justa.

A objetivo da linha de transmissão de R$ 3,4 bilhões é baratear o custo da energia e integrar Amazonas, Amapá e oeste do Pará ao Sistema Interligado Nacional, que coordena a geração pelo país. A obra federal tem duas empresas espanholas à frente: a Isolux Corsán, com a maior parte, e a Abengoa. A construção começou em dezembro de 2010. Os conflitos podem atrasar sua conclusão, prevista para maio.

Há problemas em Porto de Moz (PA, na divisa com o Amapá), onde moradores de uma reserva fecham estradas desde o início do mês para impedir o trabalho da Isolux, em protesto contra suposto descarte inadequado de lixo.

Na área, uma unidade de conservação, agricultores dizem que resíduos da obra estão sendo lançados em suas propriedades e em rios. Também querem indenizações. Em Tucuruí (PA), moradores da zona rural afetados pelo linhão protestaram há três meses contra a Isolux.

O protesto teve como alvo os valores de indenização pagos pela passagem do linhão por seus terrenos. Esses pagamentos, segundo líderes locais, variaram de R$ 500 a R$ 25 mil, a depender da intensidade do impacto.

Uma das torres do linhão foi instalada na fazenda de Jorge Costa, 56. Sua casa teve de ser reconstruída a 200 metros para dentro do terreno. Costa diz ter recebido cerca de R$ 20 mil de indenização e que gastou tudo com a construção da nova casa. Segundo ele, representantes da empresa inicialmente afirmaram que não iriam lhe pagar. Diziam que, como ele morava em um lote de terra dado pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa), não tinha direito a indenização.

Depois, afirma, tentaram lhe convencer a aceitar o valor oferecido. "Estavam intimidando: 'Ou recebe isso ou não vai receber nada'", disse. Para tentar aumentar o valor das indenizações, a Apovo (Associação das Populações Vítimas das Obras do rio Tocantins e Adjacências) ingressou na Justiça. Conseguiu fechar acordo para o pagamento, pela Isolux, de R$ 10 mil aos agricultores, referentes aos impactos do linhão nas plantações.