Portaria altera as regras para pulverização aérea. Governo atendeu pedido dos ruralistas, afirma MST

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • As religiões morrem, mas o catolicismo sobreviverá: menos europeu e mais global

    LER MAIS
  • O toque de recolher das mulheres brasileiras

    LER MAIS
  • As "últimas conversas" de Ratzinger: do "gosto pela contradição" ao "prazer do encontro". Artigo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 19 Dezembro 2012

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apresentou nesta segunda-feira, dia 17 de dezembro, proposta de regulação para as aplicações aéreas de produtos agrotóxicos que contêm Imidacloprido, Tiametoxam, Clotianidina e Fipronil para as culturas de algodão e de soja. Segundo a proposta, as aplicações serão flexibilizadas de acordo com o ciclo de cada região do País e permitida no período após a floração das culturas, quando não há mais visitação por abelhas.

A informação é do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 17-12-2012.

A proposta foi construída conjuntamente com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e os produtores. A regulamentação deverá ser publicada no Diário a Oficial da União (DOU), por meio de Instrução Normativa (IN), assinada pelo Mapa e pelo Ibama, nos próximos dias.

Na semana passada, durante audiência pública no Senado, o assunto foi amplamente discutido. Inclusive estiveram presentes representantes do Ministério, do Ibama, da Embrapa, da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil) e da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), entre outras entidades representativas.

Comentário do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem TerraMST sobre a portaria:

O Ibama vai voltar atrás e promete tornar mais flexível, pela segunda vez, a portaria que restringia a pulverização aérea de quatro defensivos agrícolas. A medida vai beneficiar principalmente as lavouras de soja e de algodão. Uma nova portaria deverá ser publicada no Diário Oficial da União, até o fim desta semana. A única exceção é quando o plantio de soja estiver na época da florada.

Esse foi o resultado de uma reunião na Casa Civil, da Ministra Gleisi Hofmann, com representantes dos produtores e da bancada ruralista. Com a decisão, os produtores poderão fazer a aplicação aérea dos princípios ativos imidacloprido, tiametoxam, clotianidina e fipronil.