''Fui expulso por acreditar que as mulheres também são chamadas a ser sacerdotes''

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Como a ciência defende a floresta. Entrevista com Carlos Afonso Nobre

    LER MAIS
  • Santa Irmã Dulce, a ''Madre Teresa brasileira''. Bolsonaro ausente

    LER MAIS
  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Novembro 2012

"Frente a uma injustiça, o silêncio é a voz da cumplicidade".

Publicamos aqui o artigo de Roy Bourgeois, sacerdote da Sociedade dos Padres e Irmãos de Maryknoll, recentemente dispensado pelo Vaticano pela sua postura de defesa à ordenação de mulheres. O artigo foi publicado no sítio Religión Digital, 28-12-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Fui sacerdote católico da congregação de Maryknoll por 40 anos. Quando eu era jovem, aproximei-me da Maryknoll por causa do seu trabalho pela justiça e pela igualdade no mundo. Agora, é muito difícil e doloroso ser expulso da Maryknoll, da sua comunidade e do sacerdócio por acreditar que as mulheres também são chamadas a ser sacerdotes.

O Vaticano e a Maryknoll podem me despedir, mas não podem fazer desaparecer a questão da igualdade de gênero na Igreja Católica. A exigência por igualdade de gênero afunda suas raízes na justiça e na dignidade, e essas coisas não vão desaparecer.

Como católicos, professamos que Deus criou os homens e as mulheres com igual valor e dignidade. Como sacerdotes, professamos que o chamado ao sacerdócio vem de Deus, só de Deus. Como podemos nós, como homens, dizer que o chamado de Deus que nós recebemos é autêntico, mas o chamado de Deus para a mulher não o é?

A exclusão das mulheres do sacerdócio é uma grave injustiça contra as mulheres e contra a nossa Igreja, já que o nosso Deus é um Deus de amor que chama homens e mulheres a serem sacerdotes.

Frente a uma injustiça, o silêncio é a voz da cumplicidade. Minha consciência me obrigou a romper meu silêncio e a enfrentar o pecado do sexismo na minha Igreja. O único que eu lamento é que eu demorei tanto tempo para tomar uma posição de questionar o poder e a dominação masculina na Igreja Católica.

No meu livro My Journey from Silence to Solidarity [Do silêncio à solidariedade], explico mais detalhadamente a minha posição sobre a ordenação de mulheres e como cheguei a ter essas convicções.

Para mais informações, acesse www.roybourgeoisjourney.org.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Fui expulso por acreditar que as mulheres também são chamadas a ser sacerdotes'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV