Como melhorar a igualdade entre homens e mulheres na Igreja?

Revista ihu on-line

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Sociabilidade 2.0 Relações humanas nas redes digitais

Edição: 502

Leia mais

O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

Edição: 501

Leia mais

Mais Lidos

  • "Não sejam mais papistas do que o papa, mais restritivos do que a Igreja", pede Francisco aos leigo

    LER MAIS
  • Flagrantes da greve geral pelo Brasil no twitter

    LER MAIS
  • Francisco no Egito: diálogo e cidadania das religiões. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

28 Novembro 2012

Enquanto no último fim de semana em Paris, os participantes das Semanas Sociais da França refletiam sobre o tema "Homens e mulheres, o novo estado de fato", a biblista Anne Soupa propõe uma leitura diferente dos textos do Gênesis.

Para a cofundadora do Comité de la Jupe e da Conférence Catholique des Baptisé(e)s Francophones, o problema das mulheres na Igreja de hoje se apresenta de forma urgente.

O texto foi publicado no jornal La Croix, 24-11-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o artigo.

Os dois textos da criação do Gênesis não fazem nenhuma distinção entre o ser humano masculino e o ser humano feminino. A chamada criação "segunda" da mulher "tirada de uma costela de Adão" (Gn 2, 22) é apenas uma leitura cultural, exegeticamente equivocada. De fato, a palavra Adam designa o ser humano, o que subverte totalmente a leitura clássica: é a mulher que é citada por primeiro na Bíblia, e não o homem! Da mesma forma, baseamo-nos nas palavras de Deus "não é bom que o homem esteja só; vou dar-lhe uma ajuda que lhe seja adequada" (Gn 2, 18) para instituir uma vocação específica para a mulher.

Ora, essa concepção eclesial, segundo a qual a mulher é a "ajuda" do homem é uma interpretação não consistente, já que o ser masculino, naquele ponto do trecho, ainda não existe. Dizer, como João Paulo II, embora com grande nobreza, que "a mulher tem a vocação de existir para os outros" é afirmar algo sobre aquela que seria a "natureza feminina" que não está em nenhum texto bíblico.

Para melhorar a igualdade entre homens e mulheres na Igreja, é preciso permitir uma verdadeira cidadania das mulheres na Igreja. É urgente que as mulheres que estão privadas da palavra – de maneira equivalente à privação dos direitos cívicos por muito tempo vivida na sociedade civil – se tornem sujeitos da palavra. Certamente, há mulheres nos conselhos pastorais ou que lecionam na faculdade de teologia... Mas as homilias dominicais – lugar de formação cristã para 95% dos católicos – estão fechadas a elas.

Essa situação, que se deve à reforma gregoriana – que confiou exclusivamente ao clero as funções de ensino, governo e santificação –, está superada. Deve ser reformada em nível universal, porque foi um papa, Gregório VII, que a instituiu.

Enquanto a Igreja e a sociedade civil praticamente coincidiam, a instituição eclesial não era percebida como retrógrada. Mas a partir da emancipação da mulher nos anos 1960 e com o Vaticano II, que encorajou o laicato, constituiu-se um verdadeiro proletariado de mulheres na Igreja.

Há cinco décadas, muitas mulheres silenciosamente se afastaram da Igreja; também temos a prova disso na lenta extinção das congregações femininas apostólicas. Como poderia uma mulher culta e autônoma aceitar a proteção dos irmãos da ordem? Diante dessa nova situação, a Igreja continua sem consultas, apenas oferecendo discursos distantes da realidade. Há uma dramática cegueira em tudo isso.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Como melhorar a igualdade entre homens e mulheres na Igreja?