Rejeição de mulheres para o episcopado provoca crise na Igreja da Inglaterra

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Papa Francisco desafia a esquerda católica

    LER MAIS
  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 27 Novembro 2012

Representantes anglicanos e políticos pediram para que a Igreja da Inglaterra revise suas normas, com o intuito de permitir a ordenação de mulheres para o bispado, após terem sido rejeitadas, mesmo contando com um apoio majoritário.

A reportagem é publicada no sítio Religión Digital, 24-11-2012. A tradução é do Cepat.

A ministra britânica de Cultura e Igualdade, Maria Miller, e o ex-arcebispo da Cantuária, George Carey, solicitaram uma reforma urgente nas políticas internas da Igreja da Inglaterra.

Numa entrevista ao jornal “The Guardian”, a ministra disse que era “insólito” e “muito decepcionante” que o Sínodo anglicano tenha rejeitado a ordenação de bispas e pediu para que o processo seja revisado com urgência, uma vez que não está de acordo com a postura majoritária de seus membros.

Na última terça-feira, mesmo com 75% do Sínodo se manifestando em favor do ingresso das mulheres no episcopado, a proposta foi rejeitada por não contar com dois terços dos votos das três câmaras do aparato legislativo da Igreja da Inglaterra.

Ao mesmo tempo em que o apoio à ordenação de mulheres, entre os bispos e o clero, superou amplamente o número exigido, na câmara dos leigos não se alcançou a porcentagem necessária por apenas seis votos.

“Acredito que a Igreja precisa responder algumas perguntas, como se é justa a maneira em que funciona seu sistema e se o mesmo reflete a visão de seus membros”, assegurou Miller.

A ministra conservadora apontou que, mesmo estando claro que depende da Igreja da Inglaterra a maneira em que se estrutura, espera “que tenham escutado, alto e claro, a dimensão da reação, e que atuem rapidamente”.

Lord Carey, que foi arcebispo da Cantuária de 1991 a 2002, quando a Igreja da Inglaterra aprovou a ordenação de mulheres para o sacerdócio, também pediu uma mudança nas normas de votação e qualificou a rejeição da proposta como “espantosa”. Numa entrevista publicada no “The Times”, o religioso apostou em acelerar o processo que permitiria uma nova votação, já que com a regulamentação atual não poderia acontecer novamente até 2019.

“Há 19 anos que contamos com mulheres no clero. Estão fazendo um trabalho maravilhoso e deveriam ter a sua oportunidade agora. É o momento de avançar e ordenar mulheres para o episcopado. Onde há vontade, há um caminho”, explicou o clérigo anglicano.

Segundo o “The Guardian”, Justin Welby, que assumirá o cargo de arcebispo da Cantuária em janeiro, apoia a realização de uma reunião com a Câmara dos Lordes e Comuns para debater a crise da Inglaterra.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rejeição de mulheres para o episcopado provoca crise na Igreja da Inglaterra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV