Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

No Vaticano, o hábito faz o padre

O hábito deve fazer o monge, ao menos no Vaticano. No último dia 15 de outubro, o cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado, assinou uma circular enviada a todos os escritórios da Cúria Romana para reiterar que sacerdotes e religiosos devem se apresentar ao trabalho com o hábito próprio, isto é, o clergyman ou a batina preta. E, nas ocasiões oficiais, especialmente na presença do papa, os monsenhores não poderão mais deixar mofando no armário a veste com os botões vermelhos e a faixa roxa.

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada no jornal La Stampa, 16-11-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Um lembrete às normas canônicas que representa um sinal preciso, de porte provavelmente maior do que as fronteiras do outro lado do Tibre: nos Sagrados Palácios, de fato, os padres que não se vestem como padres são bastante raros. E é provável que o chamado a serem mais leais e impecáveis, até mesmo formalmente, deve servir de exemplo para os que vêm de fora, para os bispos e os padres de passagem por Roma. Em suma, um modo de falar com a nora para que a sogra entenda e talvez faça o mesmo.

O Código de Direito Canônico estabelece que "os clérigos devem portar um hábito eclesiástico decoroso", segundo as normas estabelecidas pelas várias conferências episcopais. A CEI [Conferência Episcopal Italiana] estabeleceu que "o clero em público deve vestir o hábito talar ou o clergyman", isto é, o vestido preto ou cinza com o colarinho branco. O nome inglês revela a sua origem na área protestante anglo-saxônica: entrou em uso também para os eclesiásticos católicos, no início como concessão para aqueles que deviam viajar.

A Congregação vaticana para o Clero, em 1994, explicava as motivações até mesmo sociológicas do hábito dos sacerdotes: "Em uma sociedade secularizada e tendencialmente materialista" é "particularmente sentida a necessidade de que o presbítero – homem de Deus, dispensador dos seus mistérios – seja reconhecível aos olhos da comunidade".

A circular de Bertone pede que os monsenhores vistam "o hábito plano", isto é, a veste com os botões vermelhos, nos "atos onde esteja presente o Santo Padre", assim como nas outras ocasiões oficiais. Um convite dirigido também aos bispos recebidos em audiência pelo papa, que a partir de agora deverão estar decisivamente mais atentos à etiqueta.

O uso das roupas civis para o clero foi relacionado, no passado, com situações particulares, como no caso da Turquia, nos anos 1940, ou do México até anos muito mais recentes, com os bispos habituados a sair de casa vestidos como empresários. A prática, depois, também tomou conta da Europa: não devemos nos esquecer das imagens bem conhecidas do jovem teólogo Joseph Ratzinger de terno e gravata escura nos anos do Concílio.

Mas foi sobretudo depois do Vaticano II que a veste talar acabou no sótão, e o padre tentou se distinguir cada vez menos. Há anos já, especialmente entre os jovens sacerdotes, registra-se, no entanto, uma forte tendência contrária. Uma reviravolta "clerical" posta agora preto no branco também na circular do secretário de Estado.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"É incrível como se anula a vontade e a existência dos donos da terra que são os indigenas. Eles ..." Em resposta a: Dilma e Aécio não consultam índios e adotam propostas contrárias aos seus direitos
"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes