''Pfarrei-Initiative Schweiz'': manifesto das paróquias suíças

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Novembro 2012

O nosso objetivo é dizer claramente o que fazemos para refletir de modo autocrítico sobre as nossas próprias ações, "interpretá-lo à luz do evangelho" e assim reforçar a convicção solidária entre os agentes de pastoral.

Publicamos aqui o texto da Iniciativa das Paróquias Suíças (Pfarrei-Initiative Schweiz), escrito por agentes de pastoral suíços. O texto foi publicado no sítio da iniciativa (www.pfarrei-initiative.ch), 17-09-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A situação eclesial atual se caracteriza por comportamentos que muitas vezes levam a quebrar as regras. Nós, agentes de pastoral, queremos expressar claramente qual é a boa prática hoje, para que se reconheça onde exceções e desobediência se tornaram a regra.

O nosso objetivo é dizer claramente o que fazemos para refletir de modo autocrítico sobre as nossas próprias ações, "interpretá-lo à luz do evangelho" e assim reforçar a convicção solidária entre os agentes de pastoral.

Queremos continuar na nossa práxis e rezamos para que a renovação da Igreja continue. Para um resultado positivo, são indispensáveis a oração e a ação crível: porque a nossa vida como Igreja é fundada sobre o exemplo de Jesus de Nazaré, o Senhor crucificado e ressuscitado, que viveu em solidariedade sem restrições com as pessoas ao seu redor, para realizar neles a graça e mostrar a cada um a sua perspectiva de salvação. Por isso, ele também morreu e ressuscitou por nós. Em um projeto de vida orientado pelo seguimento de Jesus Cristo, por isso, vale a palavra do apóstolo: mulheres e homens devem "obedecer antes a Deus do que aos homens" (Atos 5, 29).

Em nosso esforço de identificar o que é natural para nós e o que nos leva à desobediência, sentimo-nos em comunhão com a Pfarrer-Initiative austríaca (Iniciativa dos Párocos austríaca) e com iniciativas semelhantes na Igreja Católica em todo o mundo.

O que é claro para nós:

1. Acreditamos que o próprio Deus opera a salvação na Igreja e nos sacramentos. Não devemos distinguir entre os "dignos" e os "indignos". Compartilhamos, portanto, com todos os batizados que se sentem convidados para a festa do ressuscitado e que por isso vem receber a Comunhão, o "pão da vida" (Jo 6, 48).

2. Compartilhamos com as irmãs e os irmãos de outras Igrejas cristãs a ceia que Jesus nos ofereceu, celebramo-la com eles e participamos também da celebração da ceia nas suas tradições.

3. Pedimos para os casais em segunda união uma bênção para a sua relação e abordamos com atenção e prudência o problema da culpa, da reconciliação e do novo início. Compartilhamos com eles o pão da vida.

4. Consideramos as pessoas em suas diversas orientações sexuais como nossas irmãs e nossos irmãos e nos comprometemos para que façam parte da nossa Igreja com todos os direitos e deveres.

5. Na celebração da Eucaristia e da Palavra, a Palavra de Deus também é apresentada na pregação (homilia) por mulheres e homens batizados e crismados, formados teologicamente.

6. Aos doentes, expressamos encorajamento e celebramos com eles e com suas famílias, se o desejarem, a unção revigorante.

7. De vários modos, propomos às pessoas um caminho em uma vida reconciliada. Estamos convencidos de que o essencial do perdão ocorra no diálogo de reconciliação, na mudança pessoal e na disponibilidade para a reconciliação.

8. Os diáconos e os outros agentes de pastoral recitam junto com o padre partes da Oração Eucarística de intercessão e assim evidenciam a conexão entre os vários encargos e serviços dos quais são responsáveis na Igreja.

9. Como normalmente o testemunho de solidariedade cristã necessita de um encontro direto, esforçamo-nos para que nas nossas paróquias permaneça um espaço para a pastoral, uma sala de pastoral, uma sala de aconselhamento e unidade de agentes de pastoral que ali trabalhe em apoio da comunidade.

10. Cada paróquia celebra a cada domingo, o "Dia do Senhor", com as pessoas e com os agentes de pastoral locais. Além disso, cada paróquia tem uma pessoa específica de referência para a liderança da comunidade.

Por isso, comprometemo-nos para garantir que mulheres e homens qualificados, independentemente do seu status de vida, sejam consagrados para ministérios de responsabilidade na Igreja.

17 de setembro de 2012.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Pfarrei-Initiative Schweiz'': manifesto das paróquias suíças - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV