Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

O crescimento e a distribuição progressiva na América Latina

A classe média argentina aumentou de 9,3 para 18,6 milhões de pessoas, entre 2003 e 2009, uma ascensão que em termos relativos à população total é a mais importante da região, seguida por Brasil, Uruguai e Colômbia, informou o Banco Mundial.

A reportagem é publicada no jornal Página/12, 15-11-2012. A tradução é do Cepat.

Segundo detalhou para o jornal Página/12, o economista chefe para a América Latina, desta entidade, Augusto de la Torre, em 1995 a classe média representava 38% da população argentina, em 2003 baixou para 24% e na atualidade representa 46%. A tendência de crescimento dos setores médios se repete na região, onde se registrou, desde 2000, uma ascensão de 103 para 152 milhões de pessoas nessa condição. O que explica a destacada evolução do caso nacional (Argentina) são as políticas de redistribuição de renda, o crescimento econômico e a inusitada destruição das camadas médias que produziu a crise de 1998-2001, o que determinou que o “ponto inicial” fosse muito baixo.

Para o Banco Mundial, 30% da população da América Latina pertence aos setores pobres, 38% aos vulneráveis, 30% à classe média e os 2% restantes são ricos. De 1995 a 2010, a pobreza baixou de 44% para 30%. Portanto, 40% dos lares ascenderam de “classe socioeconômica”. A maioria dos pobres que ascendeu não se integrou diretamente à classe média, mas passaram a fazer parte dos “vulneráveis”, que atualmente é o setor social mais numeroso da região. A porcentagem de pobres igualou ao da classe média, sendo que há dez anos era 2,5 vezes maior. Os dados derivam do relatório “A mobilidade econômica e o crescimento da classe média na América Latina”, que foi apresentado ontem.

Para o Banco Mundial, para uma família, de quatro membros, pertencer à classe média seu rendimento deve estar entre o equivalente a 14.600 dólares e/até 73.000 (entre 10 e 50 dólares por dia per capita). Este nível de rendimento proporciona “uma maior capacidade de recuperação diante de eventos inesperados e reflete uma menor probabilidade de voltar a cair na pobreza”, indica o organismo multilateral. Os setores “vulneráveis” recebem por dia entre 4 e 10 dólares per capita e os segmentos pobres, menos de quatro dólares diários.

A classe média cresceu de 103 para 152 milhões de pessoas na região, e de 9,3 para 18,6 milhões na Argentina. A melhora de 9,3 milhões de pessoas representa 25% da população total. O avanço que é produzido no Brasil é de 22%, seguido pelo Uruguai (20%) e Colômbia, com 16%. O desempenho destacado no caso local se explica porque o crescimento econômico e a redistribuição de renda, por meio de impostos e subsídios, contribuíram quase em partes iguais para gerar esse resultado. Em outros países, o peso do crescimento resultou muito maior, sem ter tanta importância a ação redistributiva. A melhoria argentina também tem a ver com o piso muito baixo, do qual se parte, depois da forte deterioração que os setores médios sofreram na crise de 1998-2001, que significou o fim da convertibilidade.

“A experiência recente na América Latina e Caribe mostra ao mundo que se pode oferecer prosperidade para milhões de pessoas por meio de políticas que encontrem um equilíbrio entre o crescimento econômico e a ampliação de oportunidades para os mais vulneráveis. Representa uma mudança estrutural histórica”, destacou Yong Kim, e acrescentou que isto “se deve às políticas implementadas pelos governos”.

Outro resultado destacado pelo Banco Mundial é verificado no Brasil, que é responsável por 40% do crescimento da classe média na região. Na Colômbia, 54% da população melhorou seu nível econômico, entre 1992 e 2008, e no México 17% da população se uniu à classe média, entre 2000 e 2010. Ao contrário disto, a instituição advertiu que o avanço foi muito menor na Guatemala e Paraguai.

“Lamentavelmente, apesar do movimento ascendente dos rendimentos ao longo da vida de uma geração, a mobilidade intergeracional continua sendo limitada na América Latina”, adverte o relatório, o que implica que a origem econômica e social dos pais continua tendo um papel substancial para definir o futuro econômico dos filhos.

Em nível qualitativo, o Banco Mundial explica que na América Latina os donos e donas de casa, da classe média, têm mais anos de escolaridade que os setores pobres, tendem a viver em áreas urbanas e é mais provável que sejam empregados formais do que autônomos, desempregados ou empregados. Em termos setoriais, a classe média encontra-se com maior frequência nos serviços como saúde, educação, serviços públicos e na produção. O tamanho médio da família é de 2,9 indivíduos.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium