Para Bird, Brasil ainda não é país de classe média

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • Uma nova economia é possível!

    LER MAIS
  • Caixa do Carrefour: “Eu ficava das onze da manhã às três da tarde sentada e evitava tomar água, pra não ter que ir ao banheiro, porque não tinha quem ficasse no meu lugar”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Novembro 2012

O Brasil reduziu a desigualdade e tirou milhões de pessoas da pobreza nos últimos anos, mas ainda não é um país predominantemente de classe média, sugere um relatório divulgado ontem pelo Banco Mundial (Bird). A maior parte da população está numa zona cinzenta chamada de "vulneráveis". O grupo tem alto risco de retroceder na escala social. Pelo critério adotado pelo Banco Mundial, 28% da população brasileira é de pobres, 32% é da classe média e 38% são os vulneráveis. Cerca de 3% pertence às classes altas (a soma dos percentuais dá mais de 100% por causa de arredondamentos). Os vulneráveis são as pessoas que têm risco maior de 10% de cair na pobreza nos próximos cinco anos.

A reportagem é de Alex Ribeiro e publicada pelo jornal Valor, 14-11-2012.

Com o título " Mobilidade Econômica e a Ascensão da Classe Média Latino-Americana", o relatório divulgado ontem pelo presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, desafia outros estudos recentes que afirmam que a maioria da população brasileira pertence à classe média. O Brasil está numa situação semelhante a outros países da América Latina. Na região, 30% são classe média, 30% são pobres, 38% são vulneráveis e 2% são classe alta. Pelo critério usado pelo Bird, pobres são aqueles que ganham menos de US$ 4 por dia. Classe média é quem ganha de US$ 10 a US$ 50. O grupo na faixa entre US$ 4 e US$ 10 é o dos vulneráveis. Quem ganha mais de US$ 50 é classe alta.

O Bird reconhece que não há um critério único para definir a classe média. Num quadro do relatório que discute o Brasil, o banco compara a sua metodologia com presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcelo Neri, um dos maiores especialistas no assunto do país.

Neri divide a população brasileira em cinco classes - a mais rica é a A, e a mais pobre, a E. Por esse critério, a classe do meio, a C, representa mais de 50% da população e inclui pessoas que ganham entre US$ 6 e US$ 26 por dia. Assim, a classe C definida por Neri engloba pedaços do que o Bird chama de classe média e de vulneráveis.

Para chegar ao valor acima de US$ 10 que define a classe média, o relatório do Bird usa um estudo dos economistas Luis López-Calva e Eduardo Ortiz-Juarez, que conclui que quem ganha abaixo desse valor está mais sujeito a cair abaixo da linha de pobreza, definida em US$ 4 por dia. Quem ganha mais de US$ 10 tem apenas 10% de chances de cair na pobreza nos cinco anos seguintes. Quem ganha US$ 6 por dia tem cerca de 30% de chances de se tornar pobre.

Apesar de desafiar a noção de que a América Latina é majoritariamente de classe média, o Bird reconhece os surpreendentes avanços ocorridos na região. "A América Latina é um exemplo de como sólidas políticas podem fazer diferença", disse o presidente do Bird, Jim Yong Kim.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para Bird, Brasil ainda não é país de classe média - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV