Chineses suspendem siderúrgica no porto do Açu, de Eike Batista

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Bergoglio, ao Santo Sínodo Ortodoxo: “Façamos do Chipre uma ponte entre o céu e a terra”

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Novembro 2012

Sócia de Eike Batista na mineradora MMX, a siderúrgica estatal chinesa Wuhan Iron and Steel Corporation (Wisco) arquivou a participação no complexo siderúrgico do porto do Açu, no Rio, alegando que o lado brasileiro não construiu a infraestrutura necessária para o projeto.

"Ferrovias, terminais portuários - eles não construíram nada. O mercado também não está lá, portanto, nós paramos as conversas neste momento e não estamos pensando nisso", disse ontem o presidente da Wisco, Deng Qilin, à agência de notícias Reuters.

A informação é publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 12-11-2012.

Em 2010, a Wisco, quarta maior produtora de aço da China, começou a negociar o complexo siderúrgico com a LLX, braço de logística do grupo EBX, de Eike Batista. O projeto foi orçado na época em US$ 5 bilhões.

O setor siderúrgico chinês enfrenta um ano turbulento devido à desaceleração da economia no mundo e na China, provocando um excesso de produção, dívidas crescentes e preços em queda.

A assessoria da LLX informou que a empresa não se pronunciaria sobre as declarações. Porém, em entrevista à Folha, em 19 de outubro, Eike disse que o perfil tinha mudado e que o empreendimento estava se transformando em um polo para a indústria "offshore". Inicialmente, teria duas siderúrgicas: a da Wisco e outra da Térnium, que ainda não saiu do papel.

Em vez das siderúrgicas, segundo Eike, empresas ligadas à exploração de petróleo vêm se instalando na região. "Dane-se a siderúrgica. Meu shopping mudou. Não existe um complexo nessa escala para servir a indústria do petróleo. Tenho agora uma clientela que paga três vezes mais pelo metro quadrado."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chineses suspendem siderúrgica no porto do Açu, de Eike Batista - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV