200 famílias do MST ocupam área no norte fluminense

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Novembro 2012

Cerca de 200 famílias ligadas ao Movimento dos Sem Terra (MST) ocuparam na madrugada de ontem um complexo industrial em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense. O lugar abrigava a Usina Cambahyba, local onde teriam sido incinerados os corpos de pelo menos dez militantes políticos durante o regime militar no País.

A reportagem é de Daniela Amorim e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 03-11-2012.

A usina, um complexo de sete fazendas com extensão de 3,5 mil hectares, pertencia a Heli Ribeiro Gomes, ex-vice governador do Rio, e agora é controlada por seus herdeiros. O MST argumenta que a propriedade foi considerada improdutiva por decisão do juiz federal Dario Ribeiro Machado Júnior, no último dia 17 de junho. O movimento também afirma que o complexo industrial tem dívidas com a União, além de não pagar indenizações trabalhistas e cometer crimes ambientais.

Esta é a segunda vez que o MST ocupa parte da área da usina. A primeira invasão ocorreu no ano 2000, mas, seis anos depois, policiais federais e militares, por decisão da Justiça Federal de Campos, cumpriram uma ordem de despejo das 100 famílias que já viviam no acampamento Oziel Alves II.

Processo parado

Segundo os sem terra, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) considerou as terras improdutivas e passíveis de desapropriação para fins de reforma agrária há mais de 14 anos, mas o processo de desapropriação está paralisado desde então.

A denúncia de que os fornos da usina foram usados para incinerar corpos de militantes políticos durante a ditadura tornou-se pública no livro Memórias da uma guerra suja, do ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), Cláudio Guerra, lançado em maio. À época, o Ministério Público Federal chegou a instaurar uma investigação para apurar a veracidade das declarações de Guerra. O procurador da República Eduardo Santos de Oliveira determinou que fossem expedidos ofícios à Comissão Nacional da Verdade e à Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos, pedindo informações e documentos relacionados ao caso.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

200 famílias do MST ocupam área no norte fluminense - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV