PSOL elege seu primeiro prefeito em capitais

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nota de apoio ao Padre Edson Adélio Tagliaferro. Mais de cem padres já assinaram

    LER MAIS
  • Bem comum e justiça social: agora mais do que nunca. Manifesto de mais 110 bispos, arcebispos e cardeais

    LER MAIS
  • Aquele vírus entre Darwin e Marx

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 29 Outubro 2012

O PSOL, partido fundado em 2005 por petistas descontentes com os rumos do governo Lula e do PT, conseguiu nas eleições municipais de 2012 eleger seu primeiro prefeito na história, na pequena Itaocara, no interior do Rio de Janeiro. Agora, as urnas do segundo turno trazem outra surpresa: o candidato do PSOL, Clecio, é o novo prefeito de Macapá, capital do Amapá, em uma disputa apertadíssima.

A reportagem é da revista Carta Capital, 28-10-2012.

Largando atrás na corrida eleitoral, Clécio deixou os 27,88% obtidos no no primeiro turno para se eleger prefeito com 50,59% dos votos válidos. Seu rival, candidato do PDT, Roberto, cresceu pouco mais de 9% em relação ao primeiro turno, no entanto, os 49,41% dos votos não foram suficientes para impedir que o candidato do Psol levasse a prefeitura de Macapá.

Ao contrário da virada do Psol em Macapá, em Belém, outra capital do Norte do País, Edmilson Rodrigues (PSOL) perdeu as eleições no segundo turno para o candidato do PSDB Zenaldo Coutinho, que obteve 56,61% dos votos. Edmilson encerrou o primeiro turno na capital paraense como o mais votado, com 32,58% dos votos e uma pequena vantagem de 1,91% para Coutinho.

O partido socialista também saiu fortalecido fora da região Norte. Na disputa pela prefeitura do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo (PSOL) não foi capaz de impedir a reeleição de Eduardo Paes (PMDB) ainda no primeiro turno – com 64,60% dos votos -, mas se firmou, perante a classe média carioca, como um candidato alternativo e com um discurso marcado pela ética. Prova disso, foi o candidato concentrar 28,15% dos votos  do eleitorado carioca no primeiro turno.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

PSOL elege seu primeiro prefeito em capitais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV