É preciso ser mais e ter menos

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Votemos pela Vida!

    LER MAIS
  • "'Ideologia de gênero' é o que mais mobiliza eleitor evangélico"

    LER MAIS
  • “A Igreja católica brasileira deve levantar a voz contra o Bolsonaro”. Entrevista com Adolfo Pérez Esquivel

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Outubro 2012

Aos poucos, as cadeiras do Anfiteatro Pe. Werner, na Unisinos, foram ocupadas por pessoas de diferentes países, mas o conferencista da noite, Prof. Francisco Whitaker, não precisou viajar muito para estar presente. O cofundador do Fórum Social Mundial é natural do Brasil, mais precisamente, do interior de São Paulo.

Chico Whitaker (foto abaixo), já concedeu entrevista à IHU On-Line, inclusive ao completar 80 anos, em 2011. O tema central de sua conferência no Congresso Continental de Teologia, ontem à noite, intitulada “Outro mundo possível e o contexto latino-americano”, foi o Fórum Social Mundial.



O arquiteto relembrou a história de todo o processo realizado, que teve início em Porto Alegre, quando a perplexidade causada pela queda do muro de Berlim começava a ser superada, após se tornar um espetáculo midiático. “A queda do muro de Berlim foi a vitória de um sistema sob o outro”, assinalou. Segundo ele, houve a tentativa de implantar um regime novo que se chamava socialista, mas também houve muitas manifestações contra aquilo que pretendia ser as principais intervenções do sistema.

Um breve histórico do Fórum Social Mundial

O primeiro Fórum Social Mundial foi realizado em Porto Alegre. Conforme Whitaker, a escolha da cidade foi feita pelas organizações que propuseram o Fórum porque esse era um local onde ocorria um bom exemplo de um outro tipo de democracia, vivido em função do orçamento participativo. A partir daí é que houve um grande interesse mundial das pessoas virem a Porto Alegre para conhecer esse processo participativo. “Nos organizamos para receber poucas pessoas, mas vieram 20 mil, e este foi o momento de dizer: outro mundo é possível”, declarou o professor. Na verdade, as 20 mil pessoas que vieram à Porto Alegre exigiram que se continuasse esse processo e começaram a ver que era possível realizar encontros de outros níveis, regionais, continentais, etc.

“Não pretendíamos fazer a mudança no mundo. Queríamos uma nova maneira de fazer política, essa era uma das nossas orientações, e essa maneira nova implicava em uma série de aplicações”, aponta. No segundo Fórum compareceram 50 mil pessoas, no terceiro, que ainda foi realizado no Brasil, compareceram 100 mil pessoas. “Em 2004 conseguimos que organizações indianas fizessem o Fórum lá na Índia, com 120 mil pessoas e em 2005 participaram 155 mil pessoas cadastradas, novamente em Porto Alegre. “Todo o processo do Fórum é realizado de “baixo para cima”, os temas são trazidos pelos participantes”, comenta o cofundador.

Outro mundo é possível, necessário e urgente

De acordo com Whitaker, se perguntarmos para as pessoas se outro mundo é possível, a maioria delas vai responder que não, pois “é uma mensagem que ainda não chegou em toda a parte”. “A consciência do necessário e urgente não existe para muitos”, frisa o professor. “Muitos têm pressa, porque esperam do Fórum Social mais do que ele pode dar. A luta do mundo vai ser o resultado da ação de muitos atores, inclusive ações individuais de muitas pessoas”, desabafa.

“E como fica a tal de mudança do mundo? Onde fica a superação do capitalismo?”, questiona o conferencista. O problema nosso é “como chegar lá, pois nós não estamos sabendo como fazer isto”. Para Whitaker, muitos governos se dobram para serem eleitos e existem para fazer dinheiro, “é um sistema centrado no "Rei" dinheiro”. Visto que um ponto muito enfatizado é o problema do consumismo. “Na verdade, a queda do muro de Berlim foi apresentada como a quebra da democracia, vitória do socialismo real, mas a grande vitória que houve foi a da lógica do sistema capitalista e essa lógica é impessoal, não é uma classe social, mas à serviço de uma classe social dominante”, frisa o arquiteto.

O luxo dentro do consumismo

O professor frisa que há uma competição impiedosa entre todos que estão tentando ganhar dinheiro. “Os mesmos produtos de luxo que são vendidos aqui, também são vendidos em todos os outros países do mundo. A publicidade se tornou uma enorme máquina de produção do consumo. O que importa não é mais o planeta Terra, mas fazer e ganhar dinheiro”, salienta.

“Passamos pela máquina do consumo sem perceber, mas a indústria maior é a da moda. É incrível a quantidade de roupas que as pessoas precisam trocar nos seus armários todos os anos. Queremos ganhar cada vez mais para consumir mais. Somos escravos dessa lógica, tanto os ricos, quanto os pobres”, menciona Whitaker.

Infelizmente, a propaganda do sistema faz com que o “ter” seja mais importante do que o “ser”, e atualmente tudo é feito para durar menos. Essa é a opinião de Francisco Whitaker, que finaliza sua conferência questionando-nos: “Liberarmo-nos do consumismo não é a melhor maneira para tornar mais claro como funciona o sistema e a urgência de substituí-lo?”.

Por Luana Taís Nyland

//

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

É preciso ser mais e ter menos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV