As razões da reeleição de Fortunati (PDT) em Porto Alegre

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • A força de Theodor Adorno contra a extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 08 Outubro 2012

José Fortunati assumiu a prefeitura de Porto Alegre em 2010, ano em que José Fogaça, eleito dois anos antes pelo PMDB, tentou, sem sucesso, se eleger governador do Rio Grande do Sul. O ex-vice-prefeito tinha pouco tempo para ganhar vida própria e chegar com chances de se reeleger em 2012. Em dois anos no cargo, ele atinge hoje um índice maior de aprovação do que o antecessor (55% contra 38%, quando deixou o cargo), mas somente após o início da campanha eleitoral é que ele deslanchou nas pesquisas e se tornou favorito para vencer no primeiro turno. Mesmo assim, uma vitória tão larga surpreendeu.

A reportagem é da Carta Capital, 07-10-2012.

Fortunati encabeçou uma ampla coligação que envolve partidos à direita e ao centro (PDT, PMDB, PTB, PP, PPS, DEM, PRB, PMN e PTN) do espectro político. Isso lhe garantiu uma exposição na propaganda gratuita bem maior que a dos adversários, fundamental para seu crescimento nas pesquisas no último mês de campanha. Hoje todos os institutos passaram a apontar Fortunati possivelmente reeleito já no primeiro turno.

Na disputa com Manuela D´Ávila (PCdoB) e Adão Villaverde (PT), seus principais adversários, Fortunatti representou a opção mais à direita e ao centro — lembrando que a política gaúcha tem sido polarizada nos últimos anos entre PMDB e PT. Quem historicamente votou contra o Partido dos Trabalhadores tende a preferir Fortunati entre os três, ainda mais se for levado em consideração a baixa capilaridade do PSDB na cidade, especialmente após a trágica administração de Yeda Crusius como governadora do Rio Grande do Sul (o candidato tucano Wambert Di Lorenzo teve 2,4% da votação). Ao mesmo tempo, o pedetista mantém um discurso de centro-esquerda que não desagrada parte da esquerda tradicional. Ou seja, ele consegue votos de todas as matizes políticas, fato raro na política gaúcha.

Outro fator relevante: Manuela D´Ávila, que começou a campanha eleitoral em primeiro lugar nas pesquisas, encontrou dificuldades em convencer o eleitorado de que poderia ser a mais preparada. Obsessiva em vender-se como politicamente madura para um cargo executivo mesmo tendo apenas 31 anos de idade, exagerou ao “vender” suas qualificações.

A ascensão de Fortunati na campanha eleitoral também foi ajudada pelo esvaziamento do PT nesta eleição. O partido do governador Tarso Genro comandou a prefeitura entre 1989 e 2004 com cinco nomes diferentes, entre os quais o do próprio Genro, mas o candidato escolhido pelo partido em 2012, o deputado estadual Adão Villaverde, pareceu ser um nome “verde” demais para disputar com Manuela e Fortunati. Talvez seja uma opção da própria cúpula do partido em evitar choques profundos numa disputa com dois partidos importantes da base aliada, o PDT (coligado ao PMDB, que tem o vice de Fortunati) e o PCdoB. Fica a impressão de que, com Fortunati reeleito no primeiro turno, sem o desgaste de uma briga intestina na base aliada, o governo federal não ficaria sem base na capital gaúcha.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As razões da reeleição de Fortunati (PDT) em Porto Alegre - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV