'Governo põe em risco futuro das elétricas', afirma Luiz Pinguelli Rosa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Apoio do papa a uniões gays não é uma surpresa, mas é muito significativo. Artigo de James Alison

    LER MAIS
  • Coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”

    O propósito da tecnologia e do humano: Dados, reflexões e possibilidades para a Economia de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Setembro 2012

O modelo adotado para a redução das tarifas de energia elétrica e a renovação das concessões não está correto, diz Luiz Pinguelli Rosa, ex-presidente da Eletrobrás e diretor da Coppe, instituto de engenharia da UFRJ (Universidade Federal do Rio).

A reportagem é de Tatiana Freitas e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 27-09-2012.

Para ele, reduzir drasticamente a receita das empresas comprometerá a capacidade de investimento e a qualidade dos serviços.

Eis os principais trechos da entrevista.

Redução das tarifas

Acho que isso não está bem feito, me preocupa. Veja bem, não sou contra o princípio. Cortar tarifa é bom, mas é preciso ver como fazer isso para manter a integridade do lucro das empresas.

Redução, "downsizing" de empresa, de tempos em tempos, é até possível de fazer. Mas não sem critério. E não estou vendo critério algum, nem nesse cálculo que fizeram para chegar à conclusão de quanto deve-se remunerar [as usinas].

Demissões

Tenho medo de que as novas regras comprometam a competência técnica. Cortes de receita de empresas acabam refletindo em corte de pessoal competente. E eu temo que essa competência acumulada em anos seja dissolvida, como vi acontecer na privatização.

Algumas empresas vão ser penalizadas, como a Chesf, que é muito importante no Nordeste, Furnas no Sudeste, Copel no Sul e no Oeste, a Cemig. [Furnas já anunciou corte de 35% de seu pessoal]

Remuneração

Nós adotamos o sistema de remuneração das empresas pelo preço de mercado [e não pelo custo de operação] desde a reforma do FHC. E o Lula não mudou.

As empresas continuaram ganhando muito dinheiro. Alguns contratos de transmissão foram muito generosos. Algumas termelétricas ganharam dinheiro paradas, sem funcionar.

Parece que o governo quer voltar à filosofia de remuneração pelo custo. Mas tenho medo de agora penalizar as hidrelétricas em nome da pressão da Fiesp [Federação das Indústrias de São Paulo].

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Governo põe em risco futuro das elétricas', afirma Luiz Pinguelli Rosa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV