Comissão da Verdade se debruça sobre Operação Condor

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Setembro 2012

A Comissão da Verdade vai investigar a participação do Brasil na Operação Condor. Em resolução publicada ontem no Diário Oficial da União, a comissão anunciou a criação de um grupo para atuar com órgãos de informação e contrainformação dos países da América Latina que estiveram envolvidos no sistema unificado de repressão, sequestro e mortes montado por governos militares em Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai.

A reportagem é de João Domingos e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 26-09-2012.

Segundo informações da comissão, as circunstâncias da morte do ex-presidente João Goulart vão ser investigadas pelo Grupo de Trabalho da Operação Condor. Oficialmente, Jango - o presidente deposto pelo golpe militar de 1964 - morreu de ataque cardíaco no município argentino de Mercedes (Corrientes), em 6 de dezembro de 1976. Familiares e políticos suspeitam, porém, que Jango foi assassinado por agentes da Condor.

Em janeiro de 2008, o jornal Folha de S.Paulo publicou depoimento do ex-agente do serviço de inteligência uruguaio Mario Neira Barreiro. Ele disse que Jango foi envenenado por ordem de Sérgio Fleury, do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de São Paulo. Fleury foi um dos principais agentes da repressão. Morreu afogado, em maio de 1979, em circunstâncias estranhas, pois era tido como bom nadador. Em 2009 a revista Carta Capital publicou documentos do Serviço Nacional de Informações (SNI) que reforçaram a tese do envenenamento.

Informações obtidas pela família de Jango confirmam que os passos do ex-presidente eram monitorados no Uruguai.

De acordo com a resolução publicada no Diário Oficial, o objetivo do grupo de trabalho é "esclarecer fatos, circunstâncias e autorias de casos de graves violações de direitos humanos, como torturas, mortes, desaparecimentos forçados e ocultação de cadáveres", relacionados à operação. Além disso, deve "identificar e tornar públicos estruturas, locais, instituições e circunstâncias de violações de direitos humanos", além de examinar acervos referentes ao tema, mesmo que situados no exterior.

A resolução da comissão, cujos trabalhos começaram no ano passado, esclarece ainda que "a participação no Grupo de Trabalho será considerada prestação de serviço público relevante, não remunerado".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Comissão da Verdade se debruça sobre Operação Condor - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV