80% dos "novos" classe média são negros

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • Educação: não é “reforma”, é mais um golpe

    LER MAIS
  • "É preciso mudar o futuro dos alimentos." Entrevista com Carlo Petrini

    LER MAIS
  • Boa noite, Cinderela

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

21 Setembro 2012

Cerca de 80% dos 35 milhões de brasileiros que ingressaram na classe média durante os últimos dez anos são negros. A informação foi divulgada ontem pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) ao lançar o projeto Vozes da Classe Média.

Estão na classe média do país 104 milhões de pessoas. Desse total, 53% são negros, e 47%, brancos, de acordo com o estudo. São consideradas famílias de classe média aquelas com renda per capita entre R$ 291 e R$ 1.019.

A informação é publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 21-09-2012.

Segundo o ministro Moreira Franco e o secretário Ricardo Paes de Barros, ambos da SAE, os números refletem a redução da desigualdade.

"Não foi uma política assistencial que elevou milhões de brasileiros à classe média, fazendo dela maioria da população. Foram a renda, o trabalho e o esforço pessoal", disse Franco.

ROTATIVIDADE

Segundo o ministro, o governo também estuda a criação de uma política capaz de reduzir a alta rotatividade dos trabalhadores formais que ganham até dois salários mínimos (até R$ 1.244).

"É um dos pontos que estamos debruçados, porque isso é prejudicial ao trabalhador, à empresa e ao país. A rotatividade diminui a possibilidade de aumentarmos a produtividade, porque ela decorre da experiência e do conhecimento", disse