Cooperativas de catadores do centro de São Paulo dão autonomia e força política para trabalhadores

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O ataque ao Capitólio e a tentativa de golpe contra o Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “A pandemia demonstrou as consequências de 40 anos de neoliberalismo”, avalia Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • Carta ao Povo Brasileiro: por vacina para todos, retorno do auxílio emergencial, mais recursos para o SUS e Fora Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Setembro 2012

Desenvolvimento de possíveis novos modos de produção e organização em cooperativas que permitiram independência e visibilidade política: essas são conquistas dos catadores de materiais recicláveis da região do Glicério, bairro da região central de São Paulo, área que ficou abandonada por décadas tanto pelo poder público quanto pela iniciativa privada. Segundo pesquisa da arquiteta Márcia Saeko Hirata, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, a perda do valor comercial da região permitiu que os coletores se organizassem e consolidassem sua atuação no local.

A matéria é de Giovanni Santa Rosa, da Agência USP de Notícias, e reproduzida por EcoDebate, 04-09-2012.

A área, estudada por Márcia na tese Desperdícios e centralidade urbana na cidade de São Paulo: uma discussão sobre o catador de materiais recicláveis do Glicério — trabalho orientado pelo professor Paulo César Xavier Pereira e defendido em 2011 —, é uma região de várzea que foi ocupada principalmente por pessoas de baixa renda e operários e também concentrou atividades religiosas e culturais.

Constitui-se, assim, uma situação peculiar de centralidade: apesar de estar a menos de 1 quilômetro (Km) da Praça da Sé, no centro de São Paulo, a região possui moradias baratas, como cortiços e quitinetes, e fácil acesso a trabalhos que exigem pouca qualificação.

A arquiteta tomou a Cooperglicério, cooperativa de catadores fundada em 2006, como objeto de estudo para reflexão sobre as teorias do filósofo e sociólogo francês Henri Lefebvre. Ela entrevistou catadores entre 2008 e 2011 para conhecer suas histórias no centro da cidade. Márcia diz que a obra de Lefebvre foi essencial para não encarar a questão por um viés do modo de produção capitalista, mas sim como central a um novo modo de produção. A organização em cooperativas, junto com a colaboração de ONGs e o discurso da sustentabilidade trazido pela crise ambiental, deu força política para catadores permanecerem na área e conseguirem ser vistos pelo poder público e pela sociedade com outros olhos.

Apropriação do espaço

Ao se organizar em um contexto de efervescência política, no início dos anos 1980, os catadores constituiram uma nova forma de apropriação do espaço. Houve o fim da dependência dos donos de ferros-velhos, que cediam lugar para morar e carroças para trabalhar em troca de exclusividade sobre o material coletado, por meio da organização em cooperativas que possibilitaram condições de trabalho e de vida mais dignas. Eles também passaram a explorar o centro de outra maneira, circulando e trocando experiências com pessoas em condições de vida parecidas, o que levou a uma maior consciência política.

Márcia identifica um ponto essencial no desenvolvimento dessas formas de organização: a ruptura na fórmula trinária capital-terra-trabalho, que, segundo o filósofo alemão Karl Marx, é a base da coesão capitalista. Como o Glicério ficou à margem do processo imobiliário, a terra perdeu importância como valor de troca. Sem interesses comerciais, foi possível surgir uma nova forma de apropriação do espaço que aponta para um modo de produção diferente. A arquiteta lembra que, mesmo sem valor de troca, o centro era, e ainda é, um lugar de riqueza que gera, entre outros, os materiais coletados pelos catadores.

As novas formas de apropriação do espaço não se restringiam ao modo de produção: dinâmicas comerciais como a “feira do rolo”, que deu a origem às feiras de troca solidária, e culturais, como a União dos Cordelistas e Repentistas do Nordeste, também na região, e que completam o novo significado dado ao espaço urbano abandonado por investimentos públicos ou privados.

Márcia destaca duas contribuições de sua pesquisa: o próprio avanço teórico nas ideias de Lefevbre e a reflexão sobre como a universidade interage com grupos e movimentos sociais. “Todo esse conhecimento é o conhecimento dos catadores”, diz a pesquisadora, que ainda afirma que a presença dos movimentos sociais na universidade, apesar de crescente, ainda é pequena.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cooperativas de catadores do centro de São Paulo dão autonomia e força política para trabalhadores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV