''Comer carne faz mal para o ser humano e para o ecossistema''. Entrevista com Umberto Veronesi

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Inimigos demais para um papa só

    LER MAIS
  • Mortandade de abelhas já é generalizada no Rio Grande do Sul

    LER MAIS
  • Retrocessos socioambientais podem salvar Temer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

31 Agosto 2012

O professor Umberto Veronesi, 87 anos, oncologista, ex-ministro da Saúde italiano, é vegetariano desde quando era jovem, "desde que eu pude escolher o que comer". Ao saber do estudo sueco, que pede que o mundo abandone as proteínas derivadas da carne, ele tem uma reação de contentamento. "Muito bom", diz ele.

A reportagem é de Corrado Zunino, publicada no jornal La Repubblica, 28-08-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Por que muito bom, professor?


Porque o consumo de carne é nocivo para a saúde humana e para a saúde do mundo.

Explique.

Se quisermos manter o equilíbrio do nosso planeta, devemos mudar os hábitos alimentares. Leonardo da Vinci e Albert Einstein haviam entendido isso um pouco antes de mim. Os povos que hoje não comem carne, com o crescimento econômico, vão querer se alinhar à cultura ocidental. Se chineses, indianos e brasileiros começassem a se alimentar nos nossos níveis, o consumo global de carne passaria de 220 milhões de toneladas para 460 milhões. Precisamos de um número de animais de pasto superior ao de seres humanos, insustentável para o ecossistema. Desses 900 milhões de homens e mulheres desnutridos, lembremo-nos, 158 milhões são crianças. Não é justo desequilibrar assim o mundo para satisfazer um bilhão de carnívoros em excesso.

Os obesos da Europa e da América do Norte.

No Ocidente, já são evidentes todas as doenças do excesso de comida: obesidade, problemas cardiovasculares, diabetes. Na Itália, 52 mil pessoas morrem por ano de causas relacionadas ao excesso de alimentos.

O consumo de carne é correlato ao aumento de tumores?

São as estatísticas que dizem: onde se consume mais carne há mais casos de câncer de intestino, mas a questão central é ética, de sustentabilidade ambiental e humana. Não podemos mais usar metade dos cereais e três quartos da soja produzidos no mundo para sustentar o crescimento dos animais de pasto enquanto uma parte da humanidade morre de fome.

Professor, pode-se viver e crescer sem comer carne?

É claro. Na natureza há tudo do que se precisa.

Vale a todos, mesmo para os adolescentes?

O touro é o animal mais proteico que existe e é herbívoro. Eu não acho que os seus músculos sintam o efeito disso. A carne não é necessária. Na Índia, onde não se come por motivos religiosos, as crianças crescem bem e têm quocientes de inteligência altíssimos.

Portanto?

É preciso incentivar no Ocidente uma redução do consumo de carne e incentivar para que, no Segundo e no Terceiro Mundos, não se assimile o nosso modelo. A cadeia da carne é cara: são necessários 15 mil litros de água para produzir um quilo, e as criações bovinas produzem 18% das emissões de dióxido de carbono. Tiremos a carne da mesa ao menos uma vez por semana e salvaremos o mundo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - ''Comer carne faz mal para o ser humano e para o ecossistema''. Entrevista com Umberto Veronesi