Cristo renasce em Borja

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos alemães enfrentam o Vaticano e seguem com seu sínodo

    LER MAIS
  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • Os 5 principais países, além dos EUA, que mais tecem críticas ao Papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Agosto 2012

"Era apenas uma imagem clássica de Jesus, com os olhos voltados para o céu, e estava bastante descascada até alguns meses atrás, quando a senhora Cecilia Giménez, de 81 anos, encarregou-se de restaurá-la. Os resultados da intervenção da paroquiana chegaram à imprensa, e daí se alastraram para as redes sociais", escreve Marcelo Coelho, jornalista, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, 28-08-2012.

Eis o artigo.

Obra de Elías García Martínez e restauração de Cecilia GiménezAntes de ser crucificado, Jesus Cristo passou por muitos tormentos físicos e morais. Houve açoites (que o evangelho de Lucas não menciona) e zombarias, como sua falsa coroação como rei dos judeus.

A coroa de espinhos, o falso manto e um caniço como cetro faziam parte da encenação humilhante a que o submeteram.

Com esses paramentos, Jesus foi novamente apresentado à turba. Pôncio Pilatos apontou para ele, dizendo "Ecce Homo" (eis o homem).

Para alguns intérpretes, havia nisso ainda uma tentativa de aquietar a multidão. Pilatos continuava alegando que não encontrava motivos para condenar Jesus, e sua frase seria uma espécie de apelo: "Olhem aí o suposto criminoso; já não está bom o que fizeram com ele?".

Para outros intérpretes, Pilatos estava participando da galhofa. Parodiava o ritual de apresentação de um novo monarca, um pouco como ainda hoje se mostra o papa recém-eleito numa sacada do Vaticano.

Pode-se ainda imaginar que, dizendo "eis o homem", Pilatos estivesse mostrando apenas a triste condição carnal de toda pessoa que sofre.

Seja como for, o rosto de um Jesus coroado de espinhos tornou-se componente clássico da iconografia religiosa. Inúmeros pintores fizeram suas versões do "Ecce Homo".

Entre eles, um obscuro espanhol chamado Elías García Martínez (1858-1934), que em começos do século passado pintou um afresco com esse tema na cidadezinha de Borja, perto de Zaragoza.

Era apenas uma imagem clássica de Jesus, com os olhos voltados para o céu, e estava bastante descascada até alguns meses atrás, quando a senhora Cecilia Giménez, de 81 anos, encarregou-se de restaurá-la. Os resultados da intervenção da paroquiana chegaram à imprensa, e daí se alastraram para as redes sociais.

A restauração, como sabe quem viu as fotos, foi um desastre total -e um sucesso maior ainda.

O Cristo de García Martínez tornou-se uma espécie de polegar moreno, metido numa névoa de Bombril enferrujado, com dois olhinhos de viés, como se implorando para sair dali.

Desde "O Grito", de Edvard Munch, não se via um rosto tão desesperado e tão parecido com um boneco de cartunista. Com a agravante de que a imagem de Borja nem boca apresenta.

Todo mundo se divertiu com a inépcia da restauração. É o equivalente pictórico de uma daquelas "videocassetadas" dos programas dominicais.

As autoridades, como não podia deixar de ser, logo se comprometeram a corrigir a presepada -vá lá o termo- da sra. Cecília.

Como assim? Internautas de todas as partes do mundo reagiram. Querem que o "E.T. de Borja", ou o "Ecce Mono" (eis o macaco), seja mantido tal como está. As justificativas para o movimento, que já conta com abaixo-assinado, variam.

Há quem imite o jargão dos especialistas, assinalando a gestualidade iconoclástica e a reapropriação metacrítica presentes no trabalho da velhota. Outros, mais atualizados, veem na obra a inconfundível influência de grafiteiros internacionalmente célebres, como a dupla brasileira Osgemeos.

Um bocado do velho anticlericalismo espanhol também se reacende. Nada melhor do que ver padres e fiéis se descabelando diante da profanação, ainda que involuntária, de um tradicional objeto de culto.

Outros já realizam suas peregrinações ao local. A cidade começa a viver um boom econômico, o que não deixa de ser milagre nas condições atuais da Espanha.

Enquanto proliferam as brincadeiras na internet, noticia-se que a autora da proeza está recolhida, com os nervos no estado que se pode imaginar.

Sou dos que assinaram o manifesto pela manutenção da pintura tal como a senhora Cecília a deixou.

Alvo de chacotas, a autora da restauração conseguiu, mais do que nenhum outro artista, reviver o "Ecce Homo" cristão. É ela própria, agora, o objeto de escárnio geral, coroada com os espinhos de uma consagração artística em forma de paródia.

Diante da notoriedade que o fato conferiu à cidade de Borja, pode bem ser que o prefeito, como Pilatos, termine lavando as mãos diante do caso.

Só falta, para meus desejos se concretizarem, que a nova imagem comece a verter lágrimas de verdade e cure alguns doentes.

O milagre viria a calhar, e Cecília Giménez seria salva de tanta humilhação. Fez o trabalho com incompetência total, mas na pureza de sua fé. E foi Cristo quem disse que será dos pobres de espírito o reino dos Céus.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cristo renasce em Borja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV