“Não nos deixem sozinhos ou a Nigéria será destruída”

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 23 Agosto 2012

O Presidente da Conferência Episcopal da Nigéria (CEN), Ignatius Kaigama, pediu ajuda à comunidade internacional para que se respeite a liberdade religiosa dos cristãos neste país africano, pois o extremismo da seita islâmica Boko Haram ameaça a existência deste país.

A reportagem é da ACI, 22-08-2012. A tradução é do Cepat.

“Pressionem os seus governos, não nos deixem sozinhos porque do contrário a Nigéria será destruída”, exortou o arcebispo durante o encontro “Pela Amizade entre os Povos”, organizado pelo movimento Comunhão e Libertação em Rímini (Itália) e que vai até o dia 25 de agosto.

O arcebispo falou sobre “O martírio da Nigéria: temos necessidade do milagre de Deus”. Durante sua fala denunciou a violência da seita islâmica que agride inclusive os fiéis quando participam da Missa. Na Arquidiocese de Jos, dirigida por Kaigama, os ataques extremistas já deixaram cerca de 800 mortos.

“Faz-se necessário uma resposta por parte da comunidade internacional e é necessário concentrar os esforços para garantir a liberdade religiosa aos nigerianos”, indicou. Advertiu que no meio do desespero, os jovens cristãos se aproximam da Igreja para pedir dinheiro “para comprar armas para se vingar e combater os muçulmanos. Mas eu lhes digo que não sou um guerreiro. Minha função é promover a paz”.

Contudo, disse que a paz também está ameaçada pelas carências materiais, como a falta de “água, saúde, serviços básicos. Percorro as aldeias, me sinto um pouco assistente social enquanto os funcionários do governo permanecem em seus escritórios com ar condicionado”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Não nos deixem sozinhos ou a Nigéria será destruída” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV