''Não tenham medo do mandato do Vaticano'', afirma presidente das religiosas dos EUA

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Agosto 2012

Antes de o encontro de irmãs católicas dos Estados Unidos decidir como responder à repreensão do Vaticano à sua organização de lideranças, a presidente da Leadership Conference of Women Religious disse-lhes para serem "verdadeiras, mas gentis e absolutamente destemidas".

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada no sítio do jornal National Catholic Reporter, 10-08-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A irmã franciscana Pat Farrell falou na manhã dessa sexta-feira na assembleia anual da LCWR, que representa cerca de 80% das 57 mil irmãs católicas dos EUA

Como presidente da LCWR, Farrell tem sido a principal responsável para lidar com a censura do Vaticano, que ocorreu por meio de um mandato do dia 18 de abril ordenando o grupo a rever e colocar-se sob o controle de três bispos norte-americanos.

Levando o público a uma ovação de pé, Farrell disse que "alguns dos maiores movimentos da igreja desembarcaram na LCWR".

Uma questão-chave diante da LCWR, disse ela, é: "Qual seria uma resposta profética para a avaliação doutrinal?".

"Eu acho que ela seria humilde, mas não submissa", continuou. "Enraizada em um sólido senso sobre nós mesmas, mas não hipócrita; verdadeira, mas gentil e absolutamente destemida".

"Ela faria perguntas diligentes", afirmou. "Estamos sendo convidadas a uma poda apropriada? E estamos abertas a isso? Esse processo doutrinal é uma expressão de preocupação ou uma tentativa de controle?".

"A preocupação se baseia no amor e convida à unidade. O controle através do medo e da intimidação seria um abuso de poder", disse Farrell.

"Será que a legitimidade institucional do reconhecimento canônico - questionou - nos empodera a viver profeticamente? Será que ela nos permite ter a liberdade de questionar com consciências bem formadas? Será que ela realmente acolhe respostas recíprocas em uma Igreja que afirma honrar o sensus fidelium?".

Farrell também disse que seria um "erro" exagerar a dimensão do mandato.

"Não podemos permitir que nos consumam", disse ela. "Não é a primeira vez que uma forma de vida religiosa tem colidido com a Igreja, e nem será a última".

"A avaliação doutrinal sugere que atualmente não estamos vivendo em um mundo eclesial ideal", continuou Farrell.

No entanto, disse, as irmãs também não podem menosprezar a medida do Vaticano. O seu impacto, disse ela, é "evidente para todas nós".

Encerrando as suas considerações com uma reflexão sobre a parábola evangélica do grão de mostarda, Farrell mostrou uma imagem de plantas de mostarda crescendo em um campo, dizendo que a semente é "incontrolável" e "cresce em qualquer lugar sem permissão".

Comparando a semente ao espírito de Deus, ela continuou: "De fato, podemos viver em uma esperança jubilosa, porque não há nenhum herbicida político ou eclesiástico que possa exterminar a novidade do Espírito de Deus".

Terminando com uma frase em espanhol que ela aprendeu enquanto ministrava no Chile durante a ditadura militar do país, Farrell disse: "Pueden aplastar algunas flores, pero no pueden detener la primavera" [Podem esmagar algumas flores, mas não podem deter a primavera].

Enquanto Farrell deixava o palco, a plateia de cerca de 900 pessoas se levantou e aplaudiu por cerca de três minutos.

Antes do discurso de Farrell, a LCWR anunciou que a Ir. Carol Zinn, das Irmãs de São José, foi eleita na última quinta-feira como a nova presidente eleita do grupo.

No modelo da LCWR, três irmãs – uma presidente, uma presidente eleita e uma ex-presidente – governam o grupo de forma colaborativa juntamente com a secretária, a tesoureira e a diretora-executiva da Conferência.

Os membros do grupo escolhem uma presidente eleita a cada assembleia anual. Depois de um ano no cargo, ela automaticamente passa para a presidência e, depois, no ano seguinte, para o cargo de ex-presidente.

Durante uma cerimônia formal na tarde dessa sexta-feira, Farrell passou para a posição de ex-presidente, enquanto a irmã franciscana Florence Deacon, atual presidente eleita da LCWR, se tornou a sua presidente.

Zinn, que atua na equipe de liderança das Irmãs de São José de Chestnut Hill, Pensilvânia, atuou anteriormente como representante da Congregação internacional das Irmãs de São José na ONU, que goza de status consultivo junto às Nações Unidas como organização não-governamental.

Uma cópia do discurso presidencial de Farrell está disponível aqui, em inglês.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Não tenham medo do mandato do Vaticano'', afirma presidente das religiosas dos EUA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV