Para sindicalista, governo erra ao não dialogar com os grevistas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Estudantes, trabalhadores e sonhadores. Quem eram os jovens que morreram após ação da PM em baile funk

    LER MAIS
  • Não posso me calar

    LER MAIS
  • O fim do indivíduo. Viagem de um filósofo à terra da inteligência artificial

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Agosto 2012

A demora do governo em apresentar uma proposta de reajuste para os servidores é uma "política equivocada" e vem aumentando o movimento grevista. A avaliação é do sindicalista Pedro Armengol, coordenador do setor público da CUT.

A entrevista é de Flávia Foreque e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 10-08-2012.

Eis a entrevista.

O cenário de crise econômica internacional não requer mais cautela com despesas públicas, como vem alegando o governo?

Não achamos esse discurso coerente. Não é dessa forma que entendemos que se administra a crise. O projeto político e econômico do Brasil é de manter a renda para se manter o consumo. A maioria das pautas trata de manter o poder de compra dos salários. E, do ponto de vista fiscal, o Brasil está muito bem.

O governo ainda não apresentou uma proposta. Como isso afeta a paralisação?

Isso é uma política equivocada. Temos que quebrar a concepção de só falar com o servidor no momento em que esse conflito leva a desgastes e prejuízos à população. Na greve se dialoga. Os trabalhadores apresentaram uma pauta de reivindicações e o governo acha que essa pauta é inexequível. Então, o governo que coloque qual é a pauta exequível.

Houve mudança na relação entre governo e grevistas?
Nós temos uma cultura no Estado brasileiro de que primeiro se espera o que acontece para depois dialogar. A greve dos docentes federais, por exemplo: quase três meses em paralisação e agora o governo vem colocar uma proposta na mesa. O governo não pode ser indiferente a esse conflito.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para sindicalista, governo erra ao não dialogar com os grevistas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV