Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

''Rezem contra o casamento gay'', pede Igreja francesa

"Um sinal forte." Palavra do cardeal André Vingt-Trois, arcebispo de Paris e presidente da Conferência Episcopal Francesa, em um país onde o único dogma é a laicidade, e onde as intervenções da Igreja são menos frequentes e onde são menos incisivas do que do outro lado dos Alpes. Os destinatários do sinal, François Hollande e seu governo. No seu programa, há duas novidades que não agradam a Igreja da França: o casamento homossexual (com adoção) e a eutanásia. E o primeiro deve ser discutido e aprovado depois das férias.

A reportagem é de Alberto Mattioli, publicada no jornal La Stampa, 04-08-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Dom Vingt-Trois escreveu uma "oração nacional" que foi enviada a todas as dioceses para que seja rezada em todas as paróquias no dia 15 de agosto, festa da Assunção. Naturalmente, os projetos dos socialistas não são citados explicitamente. Mas é claro que se fala deles quando se reza "por aqueles e aquelas que foram recentemente eleitos para legislar e governar: que o seu senso do bem comum da sociedade prevaleça sobre demandas particulares e que tenham a força de seguir as indicações da sua consciência".

Quanto à intenção declarada pelas crianças e pelos jovens, pede-se a Deus "para que deixem de ser o objeto dos desejos e dos conflitos dos adultos para se beneficiarem plenamente do amor de um pai e de uma mãe", não "dos genitores", que em um futuro próximo, também poderão ser dois pais ou duas mães.

Rezar pelo país em agosto é uma antiga tradição que remonta a 1638. Nesse ano, Luís XIII consagrou a França à Virgem como agradecimento porque, após 23 anos de árduas tentativas (o rei não se sentia atraído pelo sexo oposto), Ana de Áustria havia finalmente engravidado de Louis-Dieudonné, o futuro Rei Sol. Napoleão se inseriu nessa tradição, impondo nesse dia, que também era o seu aniversário, o culto de um improvável São Napoleão. Mas, desde 1945, a oração pela França caiu em desuso.

Agora, ela volta à tona, porque, como explica no jornal La Croix o porta-voz dos bispos, Dom Bernard Podvin, "é importante que haja consciência da gravidade do que está em jogo". E o próprio Vingt-Trois, encontrando-se pela primeira vez com Hollande, repassou-lhe o catecismo, que, no entanto, o presidente conhece muito bem por ser filho de um médico muito católico: "O matrimônio não é uma forma para reconhecer a autenticidade dos laços entre duas pessoas que se amam. É uma instituição social para assegurar da melhor forma possível a boa educação dos filhos".

Por trás da iniciativa da hierarquia está também o temor de ser ultrapassada "à direita" pelos católicos integralistas, que na França são muito mais visíveis do que na Itália e ameaçam manifestações clamorosas. "Eles tomam posições radicais, nas urnas e na tribuna pública – confidenciam ao jornal Figaro alguns padres de Paris –, que fazem uma caricatura da nossa comunidade e prestam um desserviço às nossas posições. Não é gritando forte que se detém o monopólio da palavra, muito menos do pensamento".

Por enquanto, nenhuma reação por parte da política, laicidade oblige. No entanto, com o outono europeu que se anuncia muito quente entre crises, demissões, imprevistos, greves e euro cambaleante, Hollande provavelmente preferiria não se encontrar pelas ruas também com os católicos.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste
"Sem o intenção de polemizar, discordo da colega Sônia Regina.Sou Prof. de E. Física, e creio que..." Em resposta a: “Vivemos uma hipocondria generalizada"

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes