Bullying no trabalho é uma bomba relógio para as empresas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta de má informação nos chamados meios católicos de comunicação

    LER MAIS
  • “O conteúdo e o sentido do trabalho são exigências de justiça social”. Entrevista com Alain Supiot

    LER MAIS
  • Nasce a Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe, “um Encontro do Povo de Deus”, segundo o Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 02 Agosto 2012

Um ambiente de trabalho onde o bullying é algo recorrente, mesmo quando o profissional não é o foco das agressões, aumenta as chances dos profissionais saírem para outras empresas. E isso independe de outros benefícios que a empresa onde ocorre o bullying forneça aos empregados. O mais interessante, diz uma pesquisa canadense, é que a repulsa pelo ambiente é menor entre aqueles que são agredidos.

A reportagem é de Enio Rodrigo e publicada pelo sítio O que eu tenho, 20-07-2012.

O resultado é de uma pesquisa canadense, publicada no periódico Human Relations, que acompanhou profissionais de saúde em ambientes onde o bullying ocorria contra colegas de trabalho. Os profissionais que trabalhavam juntos com esses alvos de bullying eram, de acordo com seus relatos, tão ou mais impactados por este tipo de violência.

“As empresas que não coíbem, ou fazem de conta que o problema não existe, têm muito a perder, pois o número de pessoas impactadas pelo bullying não se limita àquelas que são agredidas por colegas ou chefias”, explica Marjan Houshmand, um dos autores do estudo feito pela Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá.

O estudo partiu da análise de dados coletados de mais de 350 profissionais da área de saúde em 41 hospitais diferentes, o que indica também que o problema não é algo pontual, mas mais comum nos ambientes de trabalho do que se imagina.

De acordo com os pesquisadores, os alvos das agressões têm pensamentos constantes de sair da empresa e irem para outros locais, assim como aqueles que presenciam os bullies (quem comete o ato de agressão) também são mais propensos a isso. Mesmo empregados que trabalham em outras áreas longe de onde o bullying ocorre – e ficam sabendo dos atos por meio de terceiros – também engrossam as fileiras do chamado turnover (um jargão usado para indicar alta rotatividade de empregados dentro de uma empresa).

Turnover custa caro


O turnover é custoso, já que os investimentos feitos no empregado (ajustes às escalas e métodos de trabalho, cursos, integração à nova equipe) são altos e acabam aumentando ainda mais quando há necessidade de retomar a formação de um novo empregado. Além disso, um ambiente de trabalho onde o bullying ocorre acaba sendo visto por novos candidatos como um local negativo, o que afasta bons profissionais ou atrai o tipo de trabalhador que precisa apenas de um local de trabalho temporário enquanto procura lugares melhores para se trabalhar.

“O índice de turrnover pode ser previsto pelo nível de episódios de bullying no ambiente profissional. E o mais interessante é que os administradores preferem acreditar que um bom ambiente de trabalho é aquele que traz boas experiências pessoais para o trabalhador. Mas nosso estudo mostra que, mesmo que o empregado não seja alvo de agressões, ele tende a simplesmente esquecer tudo de bom que a empresa possa ter oferecido anteriormente. Isto é muito ruim para as empresas e administradores”, diz Houshmand.

Os trabalhadores não impactados indiretamente pelo bullying, em hipótese, se sentem indignados com o que ocorre com os outros e também tendem a achar que o que ocorre não é justo, responsabilizando a empresa pela situação (o que não está  errado).

Isso, dizem os pesquisadores, pode se tornar um círculo vicioso e apenas os profissionais com menos empatia por outras pessoas acabam se estabilizando no emprego. No longo prazo, o ambiente de trabalho acaba sendo formado apenas por profissionais com pouco ou nenhum trato pessoal, pouco empáticos – não se propõem a ajudar em problemas alheios e não se envolvem com os companheiros de trabalho – e que tendem a trabalhar de forma individual em detrimento do grupo.

“Aqueles com maior senso de justiça e que ficam nesse tipo de organização também podem se tornar um problema, já que podem passar a desafiar constantemente as ordens que lhe são passadas, não se sentindo na obrigação de cumprir metas e mesmo trabalhar contra a empresa como forma de ‘vingar’ seus colegas agredidos”, finaliza o pesquisador.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bullying no trabalho é uma bomba relógio para as empresas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV