A crise da PUCP e a perplexidade de Bertone

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Julho 2012

O secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone, enviou uma duríssima carta aos bispos peruanos exigindo-lhes unidade perante o desenlace da Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP), que acaba de perder seus títulos de "Pontifícia" e de "Católica". Em uma carta publicada no blog de Andrés Beltramo, Bertone mostra a sua "perplexidade" perante os reconhecimentos prestados ao recentemente falecido Gregorio Peces-Barba ou ao padre Garatea, assim como um ciclo de leitura sobre a Teologia da Libertação.

A reportagem é do sítio Religión Digital, 27-07-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"É de suma importância que os bispos estejam unidos entre si e com a Sé de Pedro para enfrentar as questões urgentes que afetam a vida da Igreja e, portanto, aquelas que dizem respeito à PUCP", proclama o secretário de Estado vaticano, acrescentando que "a Conferência Episcopal deve sustentar tanto a posição da Santa Sé, como a do Arcebispado de Lima".

Esta é a carta de Bertone aos bispos peruanos.

Vaticano, 11 de julho de 2012

Excelência Reverendíssima,

Desejo informar-lhe que, na data de hoje, foi enviado ao reitor da Pontifícia Universidade Católica do Peru (PUCP), através da Nunciatura Apostólica de Lima, o Decreto pelo qual se proíbe a essa universidade continuar utilizando em sua denominação os títulos Pontifícia e Católica.

Desejo também enfatizar que, no entanto, o mencionado Centro, como pessoa jurídica pública da Igreja, continua vinculado como antes à legislação canônica em matéria de entidades eclesiásticas, administração de bens e Centros de ensino superiores, e que continua tendo o dever de acomodar os seus Estatutos à Constituição Apostólica Ex Corde Ecclesiae.

Pelo bem da universidade e pela responsabilidade que a Igreja tem no campo educacional, essa Conferência Episcopal deve sustentar tanto a posição da Santa Sé, como a do Arcebispado de Lima, desautorizando com vigor qualquer intervenção contrária e convidando o Episcopado do país a uma ação colegial e leal. Em caso de eventuais dúvidas, o Sr. e os demais Bispos terão a amabilidade de consultar o Sr. Núncio Apostólico em Lima.

Rogo-lhe que evite que essa Conferência Episcopal seja instrumentalizada pela Reitoria da Universidade, como lamentavelmente ocorreu com o Comunicado do dia 17 de abril de 2012, como pode se comprovar através da carta aberta que, intitulada "Carta da PUCP ao Cardeal Tarcisio Bertone", do dia 9 de maio passado, a Reitoria divulgou no jornal La República.

O Comunicado citado não era o que esta Secretaria de Estado, através do Sr. Núncio Apostólico, havia solicitado à Conferência Episcopal. Ao contrário, ao convidar para retomar o diálogo com as partes encontradas, tal Comunicado colocava em pé de igualdade as diversas posições e, ao sufragar a tese da Reitoria da universidade de dar ao caso uma "solução integral" assumia como própria a proposta da Reitoria, assumindo uma posição contrária à justiça e pondo em dificuldades aqueles que, nesta matéria, se limitam a exigir da citada Universidade o cumprimento da lei canônica e de uma vontade testamentária.

Lamentavelmente, esse Comunicado contribuiu para a desinformação dos fiéis sobre o que está acontecendo e, por isso, será conveniente que a a Conferência, em particularmente o seu Presidente, repare a desinformação causada.

Por último, desejo assinalar a Vossa Excelência que considero inapropriada a participação de cinco membros da Conferência Episcopal, que além disso não foram eleitos pela Assembleia Plenária dos Bispos do Peru, em um órgão previsto por alguns estatutos que não foram legitimamente aprovados.

O Santo Padre espera que, em breve, a Conferência Episcopal preste um decidido e claro apoio às decisões tomadas pela Santa Sé com respeito à situação da PUCP e sejam evitadas novas incompreensões e divisões. O que está em jogo é o reconhecimento da liberdade e da autonomia da Igreja para levar a cabo a sua própria e específica missão em todos os âmbitos da sociedade, também no campo educacional.

Portanto, é de suma importância que os Bispos estejam unidos entre si e com a Sé de Pedro para enfrentar as questões urgentes que afetam a vida da Igreja e, portanto, aquelas que dizem respeito à PUCP.

Não quero, por último, deixar de manifestar também a perplexidade que recentemente causaram algumas iniciativas promovidas por essa Universidade, tais como: os reconhecimentos ao Sr. Gregorio Peces-Barba e ao Rev. Pe. Gastón Garatea Yori, SS.CC., e a programação de um ciclo de leitura do livro Teologia da Libertação: Perspectivas, do Pe. Gustavo Gutiérrez, organizado pelo Centro de Estudantes de Humanidades, com o respaldo e a participação do Departamento de Teologia da PUCP.

Cópia da presente Carta seja enviada para o conhecimento de todos os Bispos peruanos.

Confiando no interesse que Vossa Excelência e todos os membros da Conferência Episcopal prestaram aos referidos assuntos, pelo bem da Universidade e do ensino católico nesse país, agradeço a sua colaboração e aproveito a ocasião para renovar-lhe os sentimentos de consideração no Senhor,

Tarcisio Cardeal Bertone
Secretário de Estado de Sua Santidade

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A crise da PUCP e a perplexidade de Bertone - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV