Sumiço de abelhas faz Ibama reavaliar pesticidas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Dolan, de Nova York, envia livro sobre “o próximo papa” a cardeais de todo o mundo

    LER MAIS
  • “O mercado não é Deus e a meritocracia é apenas um grande blefe”, desabafa banqueiro italiano

    LER MAIS
  • Agronegócio pode ter infectado 400 mil trabalhadores no Brasil por Covid-19

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Julho 2012

O desaparecimento de abelhas - um problema identificado há cerca de dez anos nos Estados Unidos, mas que atingiu a Europa e também o Brasil - levou o Ibama a proibir temporariamente a aplicação por aviões de quatro agrotóxicos no País. Nesse meio de tempo, eles serão reavaliados quanto à sua segurança para esses polinizadores.

A informação é do jornal O Estado de S. Paulo, 28-07-2012.

Desde 2006, apicultores americanos têm reportado perdas de pelo menos 33% nas colônias de abelhas durante o inverno. Desde que a chamada síndrome de colapso das colônias (CCD na sigla em inglês) começou a ser observada, diversas possibilidades foram investigadas.

Suspeitou-se de vírus ou outras parasitas não identificados, das mudanças climáticas, de transgênicos, inseticidas e agrotóxicos. Estudos recentes identificaram a relação de alguns destes últimos com a desorientação e a morte das abelhas.

Quatro substâncias serão reavaliadas: imidacloprido, tiametoxam, clotianidina e fipronil. O primeiro a passar por esse processo será o imidacloprido, que tem a mais ampla comercialização dos quatro - só em 2010, foram 1.934 toneladas, 60% da quantidade total comercializada das quatro substâncias.

Nos três meses em que deve correr o processo de reavaliação, os produtores de agrotóxicos que contenham um ou mais desses compostos terão de incluir um alerta nas embalagens e bulas. A mensagem informará que a aplicação aérea não é mais permitida e o produto é tóxico para abelhas.

Além disso, informará que o uso é proibido em épocas de floração ou quando for observada a visitação de abelhas na lavoura e que o descumprimento dessas determinações constituirá crime ambiental.

De acordo com o Ibama, a decisão foi baseada em pesquisas científicas e em posições semelhantes tomadas por outros países. Das cem culturas agrícolas responsáveis por 90% da base de alimento mundial, afirma o órgão, cerca de 70 % são polinizadas por abelhas.

Pesquisa divulgada em março deste ano na revista Science, por exemplo, mostrou os riscos do tiametoxam. O inseticida, comercializado em todo o mundo há mais de dez anos. Apesar de não matar as abelhas, modifica seu comportamento. Elas ficam desorientadas, se perdem e não acham o caminho de volta para a colônia, que acaba colapsando.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sumiço de abelhas faz Ibama reavaliar pesticidas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV