Turquia importou bombas do Brasil em 2011

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Julho 2012

O cartucho de bomba de gás lacrimogêneo usado pela polícia turca num campo de refugiados sírios é parte do pacote de armas e munições "não letais" com valor entre US$ 1 milhão e US$ 10 milhões vendido pela empresa brasileira Condor ao governo da Turquia em 2011.

A informação é publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 23-07-2012.

Os dados disponíveis no Ministério do Desenvolvimento brasileiro mostram que as vendas a Istambul pela Condor estiveram abaixo do teto de US$ 1 milhão em 2010, assim como em 2008. Em 2009, não há registro de venda ao país.

O aumento da exportação de material bélico é um dos objetivos do governo, que isentou empresas do setor de impostos em 2011.

ONGs e ativistas, porém, criticam a falta de transparência do governo no tema e a venda a ditaduras e países em conflito.

No começo do ano, o Itamaraty informou estar investigando a possível quebra de contrato no uso de uma bomba de gás lacrimogêneo da Condor contra manifestantes pró-democracia no Bahrein.

A empresa, que diz exportar 30% de sua produção e é sediada no Estado do Rio de Janeiro, negou ter vendido artigos à monarquia do golfo Pérsico. A reexportação de armamentos sem a autorização do país vendedor é proibida.

O uso da bomba da Condor foi denunciado por ativistas do Bahrein, que atribuíam a morte de um bebê a substâncias do gás, cujo agente químico principal é o clorobenzilideno malononitrilo.

À época, a Condor disse ver com "incredulidade" essa informação e disse que o gás também é utilizado no Brasil e em outros 40 países seguindo "padrões internacionais de segurança".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Turquia importou bombas do Brasil em 2011 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV