Estoques de peixe estão no limite

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • Estudo sobre orçamento escancara obsessão de Bolsonaro por cortes em áreas sociais

    LER MAIS
  • “O Papa tem um espírito radical”. Conversa com Michel Löwy

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 23 Julho 2012

Estudo mostra que 30% das populações de peixes estão próximas da extinção. No Brasil, pescadores já sentem os efeitos e especialistas culpam a extração descontrolada.

A reportagem é de Rafaela Bortolin e publicada pela Gazeta do Povo, 21-07-2012.

A pesca no mundo está chegando ao limite e a tendência, segundo os especialistas, é de que, sem controle da produção e do consumo, o cenário fique cada vez pior. Segundo um relatório publicado na semana passada pelo Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), 30% dos peixes do mundo são superexplorados (e podem desaparecer) e outros 57% estão próximos do limite de extração sustentável.

No Brasil, a situação é bem parecida. “A tendência é acreditar na fartura dos estoques e achar que se pode pescar no Brasil como se os recursos nunca fossem acabar. Precisamos racionalizar a pesca e o consumo porque a situação está entrando em colapso”, alerta o biólogo e especialista em políticas públicas para o meio ambiente Tom Grando.

Esse esgotamento das reservas, segundo o coordenador do Grupo Integrado de Aquicultura e Estudos Ambientais da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Antonio Ostrensky, se deve a um conjunto de fatores, mas principalmente à própria atividade pesqueira.

Com equipamentos mais eficientes e cada vez mais gente vivendo da atividade, os pescadores apanham espécies menores ou peixes muito novos, que ainda nem se reproduziram, não há tempo para que os estoques sejam repostos e o número de peixes diminui. “No Brasil, temos uma produção que, em números, está estável e até cresceu em volume, em comparação com a década passada, mas pegamos peixes cada vez menores e mais baratos”, diz.

Nos mares, uma grande vilã é a pesca industrial descontrolada. “Na pesca do atum, é comum o barco pegar tubarões, golfinhos e tartarugas. Além disso, basta observar os barcos que passam redes pelo fundo do mar para pegar camarão. Eles arrebentam todos os ecossistemas ali e matam pequenos peixes que ficam agarrados às redes”, diz Ostrensky. Nos rios, o impacto também é causado pela alteração dos ambientes, principalmente devido à instalação de usinas hidrelétricas.

Incentivo

Em 2009, o Brasil criou o Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), como forma de incentivar o consumo de peixes. Para o biólogo, a medida é “um tiro no escuro”, porque o Brasil não tem um monitoramento eficiente dos volumes que são retirados de rios e mares. “Sem saber quanto temos e quanto tiramos, fica difícil estabelecer os limites.”

Para evitar a extinção das reservas brasileiras, o segredo seria investir na longevidade dos estoques e evitar o desperdício, o que exigiria um comportamento menos extravagante tanto na pesca quanto no consumo. “Comemos de forma perdulária e matamos muito mais peixes que o necessário. Sabe-se que 10 kg de peixes são desperdiçados para conseguir um quilo de camarão.”

Medidas

Segundo Mutsuo Asano Filho, diretor do Departamento de Planejamento e Ordenamento da Pesca Industrial do MPA, a alternativa para reduzir o desperdício e ampliar o aproveitamento é investir em recursos pesqueiros que ainda não foram explorados por aqui e espécies que vivem em grandes profundidades.

Espécies ameaçadas

No Brasil, as espécies que mais representam a superexploração dos estoques são os meros e as garoupas, que já contam com projetos de proteção na costa brasileira. No Litoral do Paraná é comum os pescadores das baías de Guaratuba e Paranaguá pescarem um volume menor que em anos anteriores e, no interior, é cada vez mais raro ver dourados, pintados, piaparas e piraputangas, espécies típicas do Rio Paraná. “No Rio Tibagi, esses peixes já sumiram”, explica o biólogo Tom Grando.

Aquicultura é tida como solução para manter reservas

Uma das soluções para controlar a superexploração dos estoques pesqueiros, segundo o professor da UFPR Antonio Ostrensky, é o investimento na aquicultura – criação de organismos aquáticos em cativeiro. “Hoje ninguém mais caça para se alimentar porque a pecuária cobriu essa lacuna, sustenta a produção de carne e comprar um bife se tornou muito mais barato do que caçar. Em médio e longo prazo, a pesca vai cair nessa dinâmica e vamos passar a consumir cada vez mais os produtos da aquicultura.”

O biólogo Tom Grando esclarece que, assim como qualquer atividade humana, a aquicultura gera impactos ambientais, principalmente no uso de recursos hídricos e produção de rações, mas o esforço vale a pena. “O impacto não é maior ou menor que o da pesca, mas tende a ser uma forma de minimizar os problemas [da superexploração].”

O professor explica que uma tendência que precisa ganhar força é a da aquicultura como forma de promover o repovoamento de rios e mares. “No Japão, há um investimento nessa área e os resultados são interessantes, porque aumentam a produção pesqueira e contribuem para a manutenção dos ecossistemas.”

Impactos são ambientais e econômicos

Os especialistas são unânimes: o progressivo esgotamento das reservas de peixes provoca uma série de impactos ambientais preocupantes. “A natureza funciona em um equilíbrio próprio: se você acaba com uma espécie de peixe, mexe com toda a cadeia alimentar e há um colapso nas outras populações, que podem se reproduzir descontroladamente ou entrar em extinção também. Do urso ao plâncton, passando pelos seres humanos, todos são afetados”, explica o biólogo Tom Grando.

Há também os efeitos econômicos para as populações que vivem às margens de rios e mares. “Por acabarem os estoques que têm maior valor comercial, vão diminuindo os ganhos com a pesca, o setor empobrece e essa fonte de renda deixa de ser viável para as populações ribeirinhas”, alerta.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estoques de peixe estão no limite - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV