11ª Jornada de Agroecologia: formação, articulação e troca de experiência para fortalecer a luta contra o agronegócio

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • Justiça de São Paulo anula julgamentos de PMs pelo massacre do Carandiru

    LER MAIS
  • "Inadequado": jesuíta alemão liquida o último livro de Bento XVI

    LER MAIS
  • Elas não cabem na “democracia” brasileira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 11 Julho 2012

Mais de quatro mil pessoas estarão reunidas na 11ª Jornada de Agroecologia do Paraná, de 11 a 14 de julho, em Londrina/PR. Além dos participantes paranaenses, estão confirmadas delegações de diversos estados brasileiros e participantes vindos de outros países, como Bolívia, Paraguai, Argentina, Haiti e Colômbia. As Jornadas de Agroecologia são realizadas anualmente pela Via Campesina, com contribuição de diversas entidades da sociedade civil, movimentos, estudantes e pesquisadores ligados ao campo à cidade.

A reportagem é do sítio Terra de Direitos, 10-07-2012.

Desde a primeira edição, as Jornadas mantêm a proposta de ser espaço de formação, análise e troca de experiência entre os participantes. As Jornadas também integram o processo de articulação da luta permanente contra o projeto de empresas transnacionais e do agronegócio, fortalecendo a agroecologia como alternativa ao modelo capitalista de produção de alimentos e exploração dos bens naturais.

Como em outras edições, a “Marcha pela agroecologia e integração campo e cidade”, marcará a abertura da 11ª Jornada com caminhada, panfletagem e divulgação dos temas para a população. No segundo dia do evento estão previstas as conferências “O movimento do capital e seu projeto de dominação na agricultura e suas consequências”, com João Pedro Stédile, dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e da Via Campesina Brasil, e “Desafios pós Rio+20: construir convergências e alternativas frente à mercantilização da vida e ameaças aos direitos”, ministrada por Darci Frigo, da coordenação da Terra de Direitos

A centralidade da educação na construção do Projeto Popular e as experiências de agroecologia relacionadas à geração de renda, à produção de alimentos saudáveis serão tratadas por Maria Isabel Grein, José Maria Tardin e Álvaro Delatorre no terceiro dia da Jornada. O encerramento do evento terá ato político com presença de autoridades e convidados e também a conferência “Cuidando da Terra, Cultivando Biodiversidade e Colhendo Soberania Alimentar”, com Ademar Bogo.

Durante a Jornada estará em funcionamento a “Feira permanente de Sementes Crioulas e Produtos Agroecológicos”, que vai reunir produtores de assentamentos da reforma agrária, cooperativas e associações de produtores agroecológicos. Também serão realizados seminários com os temas “Protagonismo e desafios da Juventude”, “Trabalho de base na agroecologia”, “Educação do Campo” e “Centenário da Guerra do Contestado”, além de atividades culturais as oficinas práticas.