Base de Dilma racha nas eleições de 2012 de olho na sucessão de 2014

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • Uma nova economia é possível!

    LER MAIS
  • Caixa do Carrefour: “Eu ficava das onze da manhã às três da tarde sentada e evitava tomar água, pra não ter que ir ao banheiro, porque não tinha quem ficasse no meu lugar”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 09 Julho 2012

Das dez principais capitais brasileiras, em nove haverá confrontos entre candidatos a prefeito de partidos de sustentação da presidente no Congresso.

A reportagem é de André Gonçalves e publicada pela Gazeta do Povo, 08-07-2012.

Nove das dez maiores capitais brasileiras têm confrontos eleitorais entre candidatos de partidos com assentos no ministério da presidente Dilma Rousseff. O racha nas disputas municipais de 2012 começa a projetar um novo cenário para a sucessão presidencial. Principais aliados dos petistas na coligação de 2010, PMDB e PSB já estão de olho no Palácio do Planalto e enfrentam chapas com a participação do PT em sete dessas cidades.

Legenda do vice-presidente Michel Temer e no comando de cinco pastas do governo federal (Agricultura, Minas e Energia, Previdência Social, Turismo e Secretaria de Assuntos Estratégicos), o PMDB está em coligações diferentes do partido de Dilma em São Paulo, Salvador, Belém, Curitiba, Fortaleza, Recife e Porto Alegre. Nos três primeiros municípios da lista a disputa é direta entre cabeças de chapa dos dois partidos. É o caso da capital paulista, onde o peemedebista Gabriel Chalita enfrenta o petista Fernando Haddad.

Já o PSB, que tem o controle dos ministérios dos Portos e da Integração Na¬cional, está em campos o¬postos ao do PT em Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Belém, Manaus, Curitiba e Porto Alegre. Os confrontos diretos ocorrem nas capitais mineira, cearense e pernambucana. Nos três casos, a disputa envolve decisões nacionais.

“Um partido que cresce nas eleições municipais naturalmente ganha cacife para os próximos pleitos estaduais e federal. É uma cartilha que o próprio PT e o PSDB já seguiram”, diz o cientista político Paulo Kramer, da Universidade de Brasília. Para ele, as rusgas de campanha geram novas possibilidades para 2014 e até para 2018.

Liderança emergente

Entre a base aliada, a avaliação é de que o aumento do peso eleitoral do PSB pode levar o partido a desbancar o PMDB da vice-presidência em um possível arranjo para a reeleição de Dilma. Há outras duas hipóteses: uma aproximação mais clara dos socialistas com o PSDB ou o lançamento da candidatura ao Planalto do presidente da legenda e governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Principal liderança política do Nordeste, onde o PSB administra quatro estados, Campos tem diálogo com petistas e tucanos. “No Nordeste se costuma dizer que os petistas não fazem alianças, apenas aceitam adesões. O PSB de Campos faz uma ponte entre aqueles que se identificam com a esquerda, mas não com a hegemonia do PT”, afirma o cientista político Joviniano Neto, da Universidade Federal da Bahia.

Entre as dez maiores capitais, o maior símbolo de uma possível ruptura entre PSB e PT é Belo Horizonte. Desde 2008 o prefeito Márcio Lacerda (PSB) é sustentado por uma coligação que incluía petistas e tucanos. A parceria acabou na semana que passou graças a uma manobra para tirar o PT da chapa de situação para a Câmara de Vereadores.

“Essa manobra transformou uma das eleições mais mornas do Brasil em uma disputa de tudo ou nada, com reflexos nacionais”, explica o cientista político Fábio Wanderley Reis, da Universidade Federal de Minas Gerais. Por intervenção direta de Dilma, o PT decidiu lançar de última hora o ex-prefeito e ex-ministro Patrus Ananias para enfrentar Lacerda, que tem como cabo eleitoral o senador e presidenciável tucano Aécio Neves.

O cenário é parecido ao de Curitiba, onde o PSDB do governador Beto Richa está com o PSB de Luciano Ducci, que disputa a reeleição contra Gustavo Fruet, recém-filiado ao PDT e coligado ao PT. “Interessa ao Aécio produzir o maior número possível de marolas na relação entre PSB e PT para se cacifar em 2014. Mesmo que o PSB decida tomar um outro rumo”, resume Reis.

No Rio, Paes é exceção com chapão de 20 partidos


A única exceção na série de nove confrontos entre partidos da base aliada nas dez maiores capitais do país ocorre no Rio de Janeiro. O atual prefeito, Eduardo Paes (PMDB), conseguiu formar uma coligação com 20 partidos e aglutinou apoio das sete legendas com participação no ministério de Dilma. O arranjo garantirá ao peemedebista 16 minutos e 24 segundos diários no horário eleitoral gratuito de televisão, contra 3 minutos e 28 segundos do principal adversário, o deputado federal Rodrigo Maia (DEM), que só coligou-se com o PR.

Entre as dez cidades do levantamento, a segunda maior coligação é a de Márcio Lacerda (PSB), com 19 partidos. Em terceiro fica a de Geraldo Júlio (PSB), no Recife, que tem o apoio de 16 partidos. Na sequência aparecem as chapas do prefeito Luciano Ducci (PSB), em Curitiba, e de Nelson Pelegrino (PT), em Salvador. Ambas têm 15 legendas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Base de Dilma racha nas eleições de 2012 de olho na sucessão de 2014 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV