A ciência e a sapiência. Artigo de Vito Mancuso

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Julho 2012

Nossa mente tem uma necessidade primordial de conciliar ciência e sapiência. Precisamos não só conhecer dados e receber informações, mas também avaliar o seu significado para a existência.

A opinião é do teólogo italiano Vito Mancuso, professor da Università Vita-Salute San Raffaele, de Milão. O artigo foi publicado no jornal La Repubblica, 05-07-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Ao que parece, Stephen Hawking perdeu a disputa com Peter Higgs, visto que ele havia apostado na não existência da partícula subatômica hoje mundialmente conhecida como o "bóson de Higgs". Mas o que agora relembra isso é um outro motivo, ou seja, o fato de que o seu livro mais conhecido, Uma Breve História do Tempo: do Big Bang aos Buracos Negros (1988), conclui assim: "Se conseguirmos encontrar a resposta a essa pergunta decretaremos o triunfo definitivo da razão humana: já que, então, conheceremos a mente de Deus".

Hawking afirmou que foi a frase final que tornou o seu livro um best-seller mundial, e não por acaso o mesmo achado está presente em muitos outros livros de divulgação científica, dentre os quais Paul Davies, A Mente de Deus (1992), Riccardo Chiaberge, La variabile Dio (2008); Margherita Hack, Il mio infinito. Dio, la vita e l’universo (2011); Edoardo Boncinelli, La scienza non ha bisogno di Dio (2012). A lógica que levou a denominar o bóson de Higgs como "partícula de Deus" é a mesma que move a indústria editorial.

Mas por que a conexão entre religiões e argumento científico é tão eficaz? Por dois motivos, a meu ver. O primeiro é a capacidade quase imediata do termo "Deus" de fazer compreender a importância do que está em jogo quando se trata dos âmbitos fundamentais da ciência como a origem do universo, da matéria e daquela particular matéria dotada de movimento e de inteligência que é a vida.

Falando da partícula responsável pela massa, ou da unificação das quatro forças fundamentais, ou da unificação entre relatividade e mecânica quântica buscada pela teoria das cordas, tocam-se territórios primordiais, de relevo não só físico, mas também filosófico para a importância sobre o sentido abrangente do nosso estar aqui. E o termo Deus com apenas quatro letras têm essa capacidade evocativa. Era exatamente por isso que, querendo fazer compreender a racionalidade ordenada do universo, Einstein repetia: "Deus não joga dados".

O segundo motivo é a necessidade primordial da nossa mente de conciliar ciência e sapiência. De fato, nós percebemos a exigência não só de conhecer dados e de receber informações, mas também de avaliar o seu significado para a existência e para os critérios com que pensamos a justiça, a beleza, o bem e o mal.

As civilizações do passado eram capazes de conciliar ciência e sapiência. Pense-se no título dado por Newton à sua obra-prima, Elementos matemáticos de filosofia natural, que indica o fato de que, para Newton, ser cientista e ser filósofo (e ser biblista, vista a sua paixão pela Sagrada Escritura) eram a mesma coisa.

Hoje, porém, essa conciliação está rompida, e o resultado é a atual separação entre disciplinas científicas e humanísticas, símbolo de uma dilaceração interior mais complexa. Por isso, quando se prefigura a possibilidade de voltar à antiga visão unitária, a mente humana fica atenta e se torna partícipe, quer se trate de uma invisível partícula subatômica ou de livros bem em vista na vitrine.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ciência e a sapiência. Artigo de Vito Mancuso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV