Apagados, EUA mandam Hillary só no último dia

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Enquanto Francisco visitava a Eslováquia, a comunidade internacional celebra a mulher sacerdote da Tchecoslováquia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Junho 2012

Há 20 anos, o noticiário da Eco-92 era totalmente dominado pela presença das posições dos Estados Unidos em todos os debates. Na Rio+20, os norte-americanos estiveram longe dos holofotes.

A reportagem é de Fernando Rodrigues e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 23-06-2012.

O trabalho mais efetivo do governo dos EUA foi nos bastidores, para impedir alguns avanços no texto final da Rio+20. Por exemplo, os norte-americanos se opuseram fortemente à criação de um fundo de US$ 30 bilhões para financiar a transição dos países a um modelo de desenvolvimento sustentável.

Ontem, no último dia do evento, chegou a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton. Sua intenção era passar menos de 24 horas no Rio. Em 1992, veio o então presidente dos EUA, George Bush.

Na sua agenda ontem, Hillary não foi recebida por Dilma Rousseff - apesar de ter solicitado uma reunião bilateral. A chefe da diplomacia norte-americana fez um anúncio de US$ 20 milhões para programas de energia limpa na África -um valor pequeno perto dos US$ 2 bilhões que o Congresso dos EUA aprovou no ano passado para esse tipo de empreendimento em países em desenvolvimento.

DIREITOS REPRODUTIVOS

No seu discurso na plenária da Rio+20, um pouco antes do almoço, Hillary disse que os EUA são um país que assegura os "direitos reprodutivos" da mulher de escolher quando quer ter filhos.

"Os EUA vão continuar trabalhando para assegurar que esses direitos sejam respeitados", afirmou a secretária de Estado norte-americana.

Esse termo ("direitos reprodutivos") constava do documento final da Rio+20 entregue aos chefes de Estado e de governo, mas foi trocado pelo Brasil por pressão do Vaticano e de países árabes. No lugar ficou "saúde reprodutiva", numa referência ao direito das mulheres de acesso a métodos de planejamento familiar.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Apagados, EUA mandam Hillary só no último dia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV