Protesto-surpresa vai de nudismo a 'poesia'

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Usada por Moro e Dallagnol, tese de alteração das mensagens está cada vez mais fraca

    LER MAIS
  • “Quem disser ‘amo a Deus’, mas odeia o irmão, é mentiroso”. Entrevista com Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Resistência política dá o tom da parada LGBT de São Paulo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Junho 2012

Durou 61 segundos o protesto poético que o médico anarquista Alexandre Carvalho, 29, apelido Atchu (como um espirro) fez, durante debate sobre prosperidade sustentável, ontem na Rio+20.

A reportagem é do jornal Folha de S. Paulo, 22-06-2012.

Integrante do Ocupa Rio, ele surgiu com uma máquina de escrever, quando todos na plateia portavam laptops, tablets e smartphones. "Vejo certa poesia nesses objetos obsoletos", disse.

A plateia e a mesa ficaram estateladas quando Carvalho levantou-se, tléc, tléc no teclado da Olivetti portátil.

"Nosso mundo está sendo destruído", disse, em inglês. "Os jovens estão revoltados porque vocês estão restringindo o nosso futuro, do meu filho, dos meus netos."

A seguir, uma negra do bairro novaiorquino do Harlem, "Queen Mother", codinome de Delois Blakely, da New Future Foundation, vestida em trajes africanos, tomou Carvalho pela cintura e retirou-o do recinto. "Queen Mother", delegada à Rio+20, foi quem o colocara na sala. Os seguranças conduziram a dupla para fora.

O Ocupa Rio faz intervenções-surpresa. Na quarta, participou da Marcha dos Povos. Em número pequeno (uns 50 militantes), apareceu graças a uma performance nudista que protagonizou.

Segundo Carvalho, "ninguém aguenta mais aquela gritaria das passeatas". Tirar a roupa, explicou, "foi a forma de chamar atenção; e funcionou!", comemorou.

As influências ideológicas do grupo são os franceses Michel Foucault (1926-1984) e Jean Baudrillard (1929-2007). "É inspiradora a análise do Baudrillard sobre a 'agonia do poder', que sempre tem a característica narcisista de atrair mais e mais poder para si próprio e excluir, excluir, excluir".

O Ocupa Rio promete novas intervenções hoje.

Feminista critica mulheres que fizeram topless em manifestação

Com os seios de fora, elas roubaram a atenção na Cúpula dos Povos.

Mas a manifestação das mulheres de topless pelo centro do Rio, na segunda, resultou em críticas dentro do próprio movimento feminista.

Tudo começou com as integrantes do grupo Tambores de Safo, formado por lésbicas e bissexuais do Ceará.

"Na web estão dizendo que uma mulher do grupo vai posar na 'Playboy'. É um absurdo. Representa a exploração estética do corpo feminino que condenamos", diz Alessandra Guerra, 28, coordenadora do Tambores de Safo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Protesto-surpresa vai de nudismo a 'poesia' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV