Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Proteção de oceanos divide participantes

A eliminação de subsídios que favorecem a pesca destrutiva e a recuperação de estoques pesqueiros ameaçados de extinção foram os principais pontos de conflito nas negociações sobre desenvolvimento sustentável dos oceanos, ontem, na Rio+20.

Uma das propostas em discussão é a que estipula um prazo até 2015 para recuperação dos estoques pesqueiros ameaçados no mundo.

A reportagem é de Herton Escobar e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 14-06-2012.

A meta foi defendida pelo Brasil, mas outros países disseram que ela é irrealista. "Para muitos estoques é biologicamente impossível fazer essa recuperação", argumentou o representante do Canadá. Japão e Noruega, países com forte indústria pesqueira, também se posicionaram contra a meta de 2015. "Eu hesitaria em pedir a nossos ministros que se comprometam com algo que sabemos ser biologicamente impossível", disse a representante da Noruega.

A África do Sul concordou com a posição brasileira. "Precisamos mandar um sinal político forte (de que é preciso agir)", disse o diplomata sul-africano.

Também se discutiu muito a proposta que sugere a eliminação de subsídios que contribuem para atividades pesqueiras ilegais ou nocivas ao meio ambiente - a ser aplicada até 2015.

Nenhum texto definitivo foi elaborado. As negociações continuam até a plenária final da conferência, no dia 22.

Risco elevado

Vários estudos indicam que a grande maioria dos estoques pesqueiros do mundo é explorada acima do limite sustentável. Vários deles são considerados à beira do colapso. Além disso, os impactos do aquecimento global, como elevação da temperatura e acidificação da água, provocam graves consequências para a biodiversidade marinha e a regulação do clima global. "Os oceanos são o radiador do planeta; são eles que controlam o clima global. Se você mexe com esse radiador, você mexe com o planeta todo", disse Luis Valdés, da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da Unesco.

Valdés criticou a posição das negociações climáticas, até mesmo do ponto de vista científico, dizendo que elas não levam em conta os limites biológicos e geofísicos dos oceanos, mas apenas dos ecossistemas terrestres - por exemplo, a determinação de que 2°C é um limite aceitável de aquecimento global. "Dois graus a mais podem ser muito prejudiciais para os oceanos", disse. "Muitas espécies marinhas não vão suportar isso." Segundo ele, isso ocorre porque a temperatura média dos oceanos oscila muito menos do que a temperatura na superfície - o que significa que pequenas mudanças têm um impacto mais acentuado debaixo d'água.

Protesto

Um grupo de ONGs planeja divulgar hoje um manifesto sobre a falta de unidades de conservação (UCs) marinhas no Brasil. O País assumiu dentro da Convenção sobre Diversidade Biológica a meta de proteger 10% de seus ecossistemas costeiros e marinhos até 2020, mas hoje esse índice é de apenas 1,5%. As ONGs apresentarão projetos para criação de UCs marinhas, que hoje estão empacados.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"É incrível como se anula a vontade e a existência dos donos da terra que são os indigenas. Eles ..." Em resposta a: Dilma e Aécio não consultam índios e adotam propostas contrárias aos seus direitos
"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes