Debate da Rio+20 está atrasado, diz porta-voz da ONU

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja: «Pensamento liberal não é o nosso» - Papa Francisco

    LER MAIS
  • Dom Hélder Câmara e Dom Luciano Mendes de Almeida: paladinos dos pobres e da justiça

    LER MAIS
  • O estadista forjado na fronteira, com a cabeça em Comte e espírito em Darwin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

07 Junho 2012

O porta-voz das Nações Unidas na Rio+20, Giancarlo Summa, admitiu na terça-feira, 5, que as negociações em torno do texto que definirá as metas do desenvolvimento sustentável não estão tão avançadas quanto a ONU gostaria. Mas minimizou o fato, dizendo que a conferência é o ponto "de partida" para a discussão dessas metas, baseadas nos pilares crescimento econômico, desenvolvimento social e ambiental.

A reportagem é de Liana Leite e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 06-06-2012.

Ele fez as declarações um dia após o diretor do Programa da ONU para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner, reconhecer a possibilidade de a conferência não ter resultados relevantes. "A Rio+20 é uma conferência de partida, não de chegada. A partir dela vamos reformular toda a discussão e forma de trabalhar o desenvolvimento sustentável", afirmou Summa, após cerimônia em que o Riocentro passou oficialmente ao controle das Nações Unidas.

Para Summa, a principal vitória seria a assinatura, pelos 193 países-membros, do documento com as metas. "Estamos negociando para que a conferência tenha o melhor resultado possível, mas o documento é ambicioso. Precisamos do compromisso político dos líderes globais."

A cerimônia de transferência do controle do Riocentro ocorreu simultaneamente no Rio e em Brasília para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente e teve o hasteamento das bandeiras da ONU, do Brasil e da Rio+20.

Atraso

Com duas semanas de atraso, a Cúpula dos Povos começou a instalação das estruturas no Parque do Aterro do Flamengo, na zona sul. Organizado pela sociedade civil em paralelo à programação oficial, o evento deve reunir 30 mil pessoas entre os dias 15 e 23. As atividades ocorrerão em 60 tendas e arenas.

A demora para o início das obras foi causada pelas negociações para a liberação das licenças para montagem. A prefeitura do Rio e o Iphan solicitaram que as tendas não ocupassem áreas de jardins para preservar o paisagismo projetado por Burle Marx.

Na terça, para protestar "contra a mercantilização da vida", a Cúpula promoveu ato em frente ao Instituto Estadual do Ambiente, no centro. Manifestantes enforcaram um boneco do secretário do Meio Ambiente, Carlos Minc.