Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

  • Ótimo, "Café Society" talvez seja o melhor filme de Allen neste século

    LER MAIS
  • No Brasil, negros morrem 2,6 vezes mais que os brancos por armas de fogo

    LER MAIS
  • Corrupção e corrupções: a propósito da condenação de uma governanta inocente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

05 Junho 2012

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) lançará no próximo dia 13 de junho os dados de 2011 do relatório anual de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil.

A informação é do Boletim da CNBB, 05-06-2012.

A apresentação será feita às 9h30, no auditório Dom Helder Câmara, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), com a presença e depoimento de indígenas expostos às violências apresentadas no relatório. Deste modo, o Cimi busca denunciar o mosaico de violações contra os direitos dos povos indígenas.

“Os dados apresentados neste relatório desvelam as agressões à dignidade humana dos povos indígenas em todo o Brasil, sua aflição e seus sofrimentos”, escreve dom Erwin Kräutler, presidente do Cimi e bispo da Prelazia do Xingu (PA), no texto de abertura do relatório.

Para o secretário executivo do Cimi, Cleber Buzatto, o relatório é ao mesmo tempo um alerta e uma cobrança, sendo instrumento político para tais fins.

“Denunciamos para a sociedade brasileira e organismos internacionais as violências contra os povos indígenas e, ao mesmo tempo, chamamos a atenção das autoridades públicas para adotar medidas que coíbam tais violências”, explica.

No relatório, os dados trazem informações referentes a violências contra o indivíduo (assassinatos, ameaças, racismo), violências contra o patrimônio (morosidade na regularização de terras, conflitos, invasões de áreas indígenas), violências por omissão do poder público (suicídios, desassistências na área da saúde, mortalidade infantil), violências contra indígenas isolados e de povos vitimados pela ditadura militar.