Refugiados haitianos. “Chegou a hora de o Brasil começar a dizer não”, diz ministra

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • Francisco desafia Trump com primeiro cardeal afro-americano

    LER MAIS
  • Surgem provas de que o Vaticano censurou o Papa Francisco em 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Mai 2012

O secretário Nilson Mourão (Direitos Humanos) disse na manhã desta quarta-feira (30), que o governo do Acre não tem mais condições de manter ajuda humanitária aos haitianos que buscam refúgio no Brasil, por intermédio do estado. A declaração foi dada depois que Mourão tomou conhecimento da existência de um novo grupo de 120 haitianos na cidade de Iñapari (Peru) prontos para entrar no país.

A reportagem é de Adaílson Oliveira e publicada pelo sítio agazeta.net, 30-05-2012.

Segundo o secretário, dos R$ 3 milhões investidos pelo governo acreano na assistência aos estrangeiros, apenas 10% foram repassados pelo governo federal.

A ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) declarou que está na hora do governo brasileiro dar um basta na entrada ilegal dos haitianos no país.

De acordo com a ministra, essa imigração desenfreada de haitianos no país é reflexo do comércio dos “coiotes”, que acabam lucrando com toda essa mazela social. “Chegou a hora de o Brasil começar a dizer não”, frisou.

Haitianos passam fome em Iñapari

A praça central de Iñapari, no Peru, voltou a ficar movimentada com a presença dos haitianos. Uma nova leva de 120 haitianos está há mais de um mês na cidade.

Por enquanto não estão dormindo na praça. O grupo ocupou um velho escritório de uma empresa e se alojou. Cerca de 20 pessoas dormem no mesmo quarto. A maioria fica no chão.

O imóvel ainda tem alguns sanitários e a água chega todos os dias. Ela não é potável, mas é a que mata a sede.

Hoje o grupo só tem farinha para comer e vai ter que se alojar no coreto da praça. A empresa não aceita que eles fiquem no local e os governos peruanos e brasileiros não estão oferecendo ajuda humanitária.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Refugiados haitianos. “Chegou a hora de o Brasil começar a dizer não”, diz ministra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV