Presidente do banco do Vaticano é demitido

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Mas Francisco está sozinho, como diz Marco Politi? Um valioso livro de análise do pontificado. De qualquer forma, Francisco deu início a um novo curso na Igreja

    LER MAIS
  • Cardeal peruano defende agenda do Sínodo amazônico após ataques de Müller e Brandmüller

    LER MAIS
  • Padilha: suspensão de programa de medicamentos gratuitos coloca vidas e empregos em risco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Maio 2012

O presidente do banco do Vaticano, o Instituto para as Obras Religiosas (IOR), Ettore Gotti Tedeschi, foi demitido ontem por deixar vazar documentos sigilosos e "não fazer o seu trabalho" na Santa Sé. A Justiça italiana investiga Tedeschi por suspeita de lavagem de dinheiro.

A notícia é publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 25-05-2012.

A demissão ocorre no momento em que o Vaticano tenta demonstrar transparência financeira. O funcionário, consultado pela imprensa, não quis explicar as razões de seu afastamento. "Prefiro não falar. Do contrário, posso dizer as palavras erradas", comentou ele.

Em um comunicado oficial, o Vaticano explicou que Tedeschi foi destituído "por não ter cumprido várias funções de importância prioritária". A decisão foi tomada por unanimidade pelos diretores da instituição.

Nomeado em 2009 para acertar as contas do IOR, Tedeschi, simpatizante do Opus Dei, ocupou durante anos cargo executivo do Banco Santander na Itália. Ele é acusado, segundo informações publicadas na imprensa, de ter cometido irregularidades e violar as leis italianas contra a lavagem de dinheiro.

Depois das denúncias, feitas em 2010, a Justiça italiana abriu uma investigação judicial contra dois diretores do banco do Vaticano por violação das leis italianas contra a lavagem de dinheiro, questionando a instituição bancária da Santa Sé.

Posição oficial

O Vaticano manifestou sua "máxima confiança" nos diretores dos bancos. Em nota divulgada ontem, a Santa Sé reconheceu que se trata de uma medida necessária "para manter a vitalidade da entidade" e a saída do dirigente "ajudará" o banco a "reativar relações eficazes e amplas entre o IOR e a comunidade financeira, com base no respeito mútuo aos padrões bancários". Tedeschi teria deixado vazar documentos confidenciais para servir a interesses pessoais e políticos, de acordo com uma fonte da Secretaria de Estado do Vaticano.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Presidente do banco do Vaticano é demitido - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV