O bode expiatório. O desejo e a violência

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Maio 2012

A atualidade e a importância da obra de René Girard é o tema em discussão na revista IHU On-Line desta semana. Pensador radicado nos Estados Unidos, professor emérito da Universidade de Stanford, a sua obra, atualmente sendo amplamente divulgada pela Biblioteca René Girard, uma realização da editora E Realizações e da Fundação Imitatio, é conhecida pela teoria mimética. O pensamento de Girard permite, sem dúvida, pensar com acuidade e pertinência aspectos fundamentais da contemporaneidade.

O abade belga Dominique Janthial analisa Girard como leitor do profeta Isaías, e pontua de que modo a economia liberal apresenta uma exacerbação do desejo mimético, fonte da violência social. Janthial leciona na Faculdade da Companhia de Jesus (Instituto de Estudos Teológicos), em Bruxelas.

James Alison, teólogo católico, sacerdote e escritor, debate a possibilidade de uma fé para além do ressentimento, a partir das concepções desse filósofo francês. Ao nos desvelar o mecanismo do bode expiatório, Girard nos oferece a possibilidade de fazer uma autocrítica institucional constante, afirma Alison.

Stéphane Vinolo, docente na Pontifícia Universidade Católica do Equador, afirma que a mundialização dos medos e temores é sinal de crises miméticas, e provoca ao dizer que o desejo mimético é “infelizmente” atual.

O teólogo inglês Michael Kirwan, jesuíta, do Heythrop College, em Londres, examina o impacto da obra girardiana na teologia e na ciência da religião. Ele argumenta que é preciso manter viva a memória do que são os bodes expiatórios para escaparmos de “padrões de ressentimento e agressão mascarados como santidade”.

Gabriel Andrade, autor da biografia intelectual de Girard, fala no desafio em ser girardiano atualmente. Para o pesquisador da Universidade de Zulia, na Venezuela, Girard possui uma obra coerente, mas pode ser “acusado” daquilo que Popper dizia sobre Freud: a necessidade de explicar em excesso.

William Johnsen
, professor de inglês na Michigan State University, examina o elo entre violência e modernismo a partir dos escritores Ibsen, Joyce e Woolf.

O filósofo francês Jean-Pierre Dupuy contribui com um artigo intitulado Crer é não crer. As crenças religiosas, a violência e o sagrado.

Completam esta edição as seguintes entrevistas e artigos.

Elton Vitoriano Ribeiro, professor da FAJE, comenta a publicação da tese de doutorado do filósofo Henrique Cláudio de Lima Vaz seis décadas após sua apresentação. O livro Contemplação e dialética nos diálogos platônicos acaba de se publicado pelas Edições Loyola.

O economista e professor da Unicamp Ricardo Antunes debate a terceiriziação como porta de entrada para a precarização do trabalho.

Francisco de Oliveira, sociólogo e professor emérito da USP comentando o atual desenvolvimentismo diz que “o capitalismo brasileiro suga a todos os recursos disponíveis e não se deterá para redistribuir renda”.

O filósofo espanhol e professor da Unisinos, Castor Bartolomé Ruiz é autor do artigo O trabalho e a biopolítica na perspectiva de Hannah Arendt.

O secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, Luiz Pinguelli Rosa, que estará nesta semana na Unisinos, falando da  Rio+20, diz “que não vai ser um grande sucesso. Mas espero que se avance alguma coisa em direção a um mundo um pouco mais equilibrado”.

Dieter Wartchow, professor no Instituto de Pesquisas Hidráulicas – IPH, da UFRGS, que também estará na Unisinos, nesta semana, debate o tema do acesso à água na perspectiva da Rio+20.

O professor de Economia da Unisinos Fernando Maccari Lara, por sua vez, faz uma análise do filme Margin Call – O Dia Antes do Fim, debatido no último dia 15-052012, no IHU.

Edson Bemvenuti, professor de Educação Física, narra os 40 anos da sua trajetóri na Unisinos.

A revista IHU On-Line estará disponível, nesta página, nas versões html, pdf e 'versão para folhear', nesta segunda-feira, a partir das 17h.

A versão impressa circulará, terça-feira, no campus da Unisinos. a partir das 8h.

A todas e a todos uma ótima leitura e uma excelente semana!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O bode expiatório. O desejo e a violência - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV