Governo anuncia opção por usinas-plataforma na Amazônia

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • Quem é o grupo que pode lançar Luciano Huck à presidência em 2018

    LER MAIS
  • O império dos monopólios. Artigo de Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • ''É impossível trabalhar até os 75 anos. É preciso dar garantias aos jovens.'' Entrevista com Chiara Saraceno

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 10 Maio 2012

O governo informa que, entre o fim de 2013 e início de 2014, vai licitar as primeiras usinas hidrelétricas do tipo plataforma. De acordo com o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, as usinas São Luiz e Jatobá serão construídas no Rio Tapajós, na Amazônia.

A reportagem encontra-se na página Sustentabilidade do portal Terra, 09-05-2012.

Usinas-plataforma são hidrelétricas cuja concepção é baseada no conceito das plataformas de exploração de petróleo em alto-mar e visam provocar o menor impacto ambiental possível.

Segundo a EPE, as hidrelétricas deverão usar reduzido número de operários e, depois de prontas, o canteiro de obras será desmanchado e o entorno da usina reflorestado. As usina-plataformas, segundo Tolmasquim, operam de forma mais automatizada do que uma hidrelétrica comum e não contarão com estradas para ligar a hidrelétrica ao resto do País. Os funcionários terão de se deslocar para a usina por helicóptero, como ocorre no transporte de pessoal para as plataformas de petróleo no mar. E será expressamente proibida a criação de núcleos urbanos, como vilas, no entorno da usina.

Segundo Tolmasquim, o conceito será usado em áreas da floresta amazônica onde não há ocupação humana. "Praticamente não tem impacto ambiental porque vai se reflorestar tudo em volta e a vai ficar a hidrelétrica no meio da floresta. A ideia é não ter cidades em volta. Temos que criar essas inovações para usar nossos recursos", disse.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo anuncia opção por usinas-plataforma na Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV