Semiárido enfrenta pior seca em 30 anos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Sobre a carta dos bispos. Profetismo incompreendido

    LER MAIS
  • Bolsonaro quer reduzir em R$ 35 bilhões o orçamento do SUS para 2021

    LER MAIS
  • O que estamos prestes a perder na Universidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Mai 2012

O semiárido nordestino enfrenta a pior seca dos últimos 30 anos. Os 525 municípios que estão em estado de emergência convivem com a destruição das plantações, a morte de centenas de animais e a falta de água potável.

A reportagem é de Angela Lacerda e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 09-05-2012.

Em Pernambuco, a situação atinge 70 municípios. De acordo com a Secretaria Estadual de Agricultura, a redução das chuvas foi, em média, de 75%, chegando até a 92% em algumas regiões. A grande maioria dos açudes localizados no sertão está com 30% de sua capacidade.

A falta de chuvas provocou a perda de 370 mil toneladas de grãos. Nos cem primeiros dias deste ano, o número de animais vendidos para fora do Estado foi 73% maior que no mesmo período do ano passado.

"Os criadores, a maioria deles pequenos, estão se desfazendo de seus animais porque faltam ração, capim, sorgo", afirma o secretário estadual de Agricultura e presidente do Comitê Integrado de Combate à Seca de Pernambuco, Ranílson Ramos. Ele prevê dificuldades para recompor o rebanho depois da estiagem, já que as fêmeas de boa linhagem estão sendo vendidas para o Pará e Maranhão.

Nem todos os criadores, no entanto, têm a sorte de conseguir vender suas reses. "É uma tristeza a gente ver os agricultores de pequenos sítios da área rural de Águas Belas pegarem seus bichos, já muito magros, para levar para as feiras na cidade e voltarem para casa com os mesmos animais", afirmou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Águas Belas, a 314 quilômetros do Recife, André de Santana Paixão. Com 33 anos, André só se lembra de ter visto secas tão fortes em 1983 e 1998.

Paixão reforça o que diz o governo: pelo menos por enquanto a população atingida pela seca não passa fome. "Passa necessidade", afirma ele. O Bolsa-Família chega para 850 mil famílias no agreste e no sertão.

Os carros pipas - única fonte de abastecimento de água - voltaram a povoar a região semiárida. Ramos afirma que o Estado precisa de 1,5 mil deles para atender as comunidades afetadas pela falta d'água. Por enquanto, são 1,1 mil rodando pela região, 600 deles do governo estadual e o restante do Exército e de prefeituras.

Os recursos anunciados pelo governo federal para reduzir a agonia dos que vivem no semiárido - liberação de crédito ao Bolsa Estiagem - ainda não se concretizaram. Organizados pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape), sindicatos têm mobilizado pequenos agricultores em protestos exigindo rapidez na efetivação das medidas e a participação da sociedade civil nos comitês de combate à seca.

Enchentes. Enquanto o sertão brasileiro enfrenta a seca, 39 dos 62 municípios do Amazonas decretaram estado de emergência por causa da cheia que atinge o Estado. São mais de 70 mil famílias afetadas - em Manaus, pelo menos 18 mil pessoas sofrem com a cheia do Rio Negro

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Semiárido enfrenta pior seca em 30 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV