STJ quer PMs de chacina no Pará presos

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Maio 2012

Dez anos depois de serem condenados pela morte de 19 sem-terra no massacre de Eldorado dos Carajás, o coronel da Polícia Militar do Pará, Mário Colares Pantoja, e o major José Maria Oliveira terão de cumprir a pena em regime fechado. O processo contra os militares transitou em julgado no mês de abril e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que a sentença fosse "imediatamente cumprida". Ontem, o Tribunal de Justiça do Pará decretou a prisão dos dois militares.

A reportagem é de Carlos Mendes e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 08-05-2012.

O coronel Mário Pantoja, condenado a 228 anos, apresentou-se ontem espontaneamente no Centro de Recuperação Especial Anastácio das Neves, uma penitenciária para policiais e ex-policiais localizada em Santa Isabel, a 45 quilômetros de Belém.

Oliveira, que pegou 158 anos e 4 meses, alegou que ainda não foi notificado pelo juiz da 1.ª Vara do Tribunal do Júri de Belém, Edmar Pereira. "Se ele for notificado irá recorrer. Houve uma decisão do ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, no nosso entendimento, ainda não foi publicada. Portanto, não há transitado em julgado, e cabe recurso", disse o advogado Arnaldo Gama, defensor de Oliveira.

Ao se apresentar na penitenciária, segundo um policial, Pantoja teria dito que lamentava a ausência do ex-governador Almir Gabriel no processo que o condenou. Durante o julgamento, o coronel sustentou que Gabriel exigiu que a estrada bloqueada pelos sem-terra fosse "liberada de qualquer maneira".

O ex-governador alega que o comando da PM, à época, tinha plena autonomia para tomar decisões. O coronel Fabiano Lopes, que era o comandante-geral, porém, não foi indiciado. Pantoja e Oliveira afirmam que ficaram "sozinhos" no episódio.

'Reparo'

O coordenador do Movimento dos Sem-Terra (MST) no Pará, Ulisses Manaças, disse que a prisão dos oficiais, "embora tardia", veio reparar um fato "emblemático para o movimento e para os direitos humanos no Brasil". Segundo ele, a ordem de prisão poderá ter reflexo na impunidade que protege outros criminosos que atuam no campo no Pará.

A morte dos 19 sem-terra foi um dos episódios mais sangrentos da luta pela terra no País. Em abril de 1996, a rodovia PA-150, em Eldorado dos Carajás, sul do Pará, foi ocupada por cerca de 1.500 trabalhadores rurais que reivindicavam a desapropriação de fazendas da região para a reforma agrária.

Pelotões da PM de Marabá e de Parauapebas, com um total de 155 homens, segundo depoimentos na época do confronto, chegaram ao local do bloqueio atirando. Os sem-terra atacaram os policiais com paus e pedras. Além dos 19 mortos, 66 pessoas ficaram feridas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

STJ quer PMs de chacina no Pará presos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV