Um Brizola no governo. Interferência familiar

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Requiem para os estudantes. Artigo de Giorgio Agamben

    LER MAIS
  • Uma “bispa católica” em Lyon: provocação ou profecia?

    LER MAIS
  • Armar o país: a “guerra santa” bolsonarista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Mai 2012

Partiu do amigo, confidente e ex-marido Carlos Araújo a sugestão para que Dilma Rousseff desse projeção nacional a um herdeiro do líder trabalhista Leonel Brizola. Já no ano passado, aconselhada por Araújo, a presidente fez um arranjo político para transformar Brizola Neto em deputado federal. Por interferência dela, o governador Sérgio Cabral (PMDB) nomeou o deputado Sergio Zveiter para a Secretaria do Trabalho do Rio. Com isso, abriu-se uma vaga na Câmara para o suplente Brizola Neto.

O comentário é de Dione Kuhn, jornalista, e publicado pelo jornal Zero Hora, 01-05-2012.

Os vínculos de Dilma e Araújo com Leonel Brizola – construídos nos idos de 1980 no Rio Grande do Sul, a partir da redemocratização e da fundação do PDT – foram rompidos no momento em que ambos deixaram o partido, em 2001. Mas restou pelo caminho uma história de respeito à figura do ex-governador e a proximidade, principalmente de Araújo, com os netos de Brizola. Ele exerce um papel de conselheiro dos três herdeiros políticos – além de Brizola Neto, a deputada estadual gaúcha Juliana Brizola e o vereador do Rio Leonel Brizola.

Poucos dias atrás, na casa do ex-marido de Dilma, na zonal sul de Porto Alegre, foi selada a indicação de Brizola Neto para o Ministério do Trabalho, com a presença do próprio e do deputado federal Paulinho da Força Sindical (PDT-SP).

A mão pesada de Araújo revoltou o PDT do Rio Grande do Sul. Afinal, um ex-filiado conseguiu ditar os rumos do partido, usando de sua influência junto a Dilma para indicar uma pessoa que boa parte da sigla não queria. E pior: conseguiu adiar as pretensões políticas do deputado federal Vieira da Cunha, uma das grandes apostas do PDT para voos maiores.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um Brizola no governo. Interferência familiar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV