Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Lefebvrianos: termina o último cisma, mas ainda não haverá paz na Igreja

O cisma dos lefebvrianos – que talvez esteja chegando ao fim – dura 23 anos, mas o ramo anticonciliar do qual eles germinaram remonta a 44 anos atrás e tem uma data de início fortemente simbólica: 1968.

Para a reabsorção do cisma – palavra grega que significa ruptura –, o Papa Bento XVI está  trabalhando com decisão, e parece que as negociações entre a Santa Sé e a Fraternidade São Pio X, que começaram há três anos, estão andando bem. A última palavra não foi dita, mas as péssimas previsões da metade de março estão agora abaladas. Desde setembro, o papa e a Cúria esperam que a Fraternidade assim embaixo de um "preâmbulo doutrinal", em que se afirma a aceitação do Vaticano II com menção ao ecumenismo e à liberdade religiosa, de cuja rejeição nasceu o cisma.

A reportagem é de Luigi Accattoli, publicada no jornal Corriere della Sera, 21-04-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Até meados de março, a Fraternidade havia feito a declaração de que não podia assinar esse "preâmbulo", acompanhada por contrapropostas que a Congregação para a Doutrina da Fé e o papa consideraram "insuficientes". A última resposta que veio do Vaticano na última segunda-feira, 16, por e-mail, pareceu ser "significativamente diferente" das anteriores, a ponto de constituir – segundo o porta-voz, Lombardi – "um passo à frente e um fato encorajador".

Eles não disseram que aceitam o "preâmbulo", mas que poderiam aceitá-lo se fossem feitos alguns "acréscimos ou esclarecimentos". A Congregação para a Doutrina irá avaliar os pedidos, e Bento XVI tomará uma decisão. Mas não se sabe se a possível solução positiva irá abrir um período de paz no catolicismo.

O retorno à "comunhão com Roma" da atual dirigência lefebvriana poderia provocar a separação da ala intransigente que considerou "escandalosas" a beatificação do Papa Wojtyla e a convocação da Jornada de Assis em outubro passada. Nos episcopados, a reentrada dos lefebvrianos "moderados" irá agravar o debate sobre os ajustes beneditinos da herança wojtyliana. Cinquenta anos depois do início do Vaticano II, o conflito sobre a sua interpretação está mais acesa do que nunca.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Realmente uma matéria profunda, reflexo de estudo técnico e científico. A grande corrida(ataque) ..." Em resposta a: A complexa teia hídrica que brota do Cerrado está ameaçada. Entrevista especial com Altair Sales Barbosa
"O sucesso da Dilma está no meio dos pobres. Estou de acordo com foi dito por todos aqueles que sens..." Em resposta a: Empregos, salários e universidades explicam sucesso de Dilma no Nordeste
"Sem o intenção de polemizar, discordo da colega Sônia Regina.Sou Prof. de E. Física, e creio que..." Em resposta a: “Vivemos uma hipocondria generalizada"

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes