Um pontificado rumo ao crepúsculo?

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS
  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Abril 2012

Em uma atmosfera crepuscular, Bento XVI entrou nessa quinta-feira no oitavo ano do seu pontificado. "Assim como estou diante de vocês – disse ele na segunda-feira ao governador da Baviera, Seehofer, e aos bispos bávaros, que festejavam o 85º aniversário –, um dia eu terei que me apresentar ao Senhor".

A reportagem é de Marco Politi, publicada no jornal Il Fatto Quotidiano, 19-04-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A missa celebrada pelo pontífice na Capela Paulina, palavras textuais de Seehofer, causaram "arrepios". O papa voltou a falar sobre o assunto. "Estou diante da última parte da minha vida – exclamou ele – e não sei o que está destinado a mim".

Nessas palavras, está o Ratzinger profundo. Homem de fé, mas consciente de ter aceitado o pontificado pelo sentido do dever, estimulado por outros e não por ambição própria. Durante a oração da Via Crucis no Coliseu, o seu rosto absorto e pensativo lembrava aquelas cabeças de imperadores romanos do Império Tardio: olhar severo e desencantado.

Aos 85 anos, Ratzinger é o pontífice mais velho do último século. Ele sabe muito bem que foi aberta uma fase extremamente incerta. No Vaticano, a atenção oscila. Há quem aponte para uma troca da guarda na cúpula da Cúria para superar o mal-estar subterrâneo que explodiu com o Vatileaks, a publicação de documentos comprometedores fortemente críticos ao secretário de Estado, Bertone.

Os gradualistas apontam, por isso, para uma substituição de Bertone até o fim deste ano, quando o cardeal irá completar 78 anos. A ala realista, ao contrário, defende que Bento XVI, tendo se tornado cada vez mais hesitante com o avançar dos anos, não se privará do seu braço direito salesiano. Assim, começaram as primeiras cautas manobras em vista do conclave.

Entre as finalidades do documento secreto sobre a "morte do papa" revelado pelo jornal Il Fatto Quotidiano (e entregue – não se esqueça – nas próprias mãos de Ratzinger), havia também a denúncia da campanha subterrânea em andamento para chegar a um "pontífice italiano". Com nome e sobrenome para prejudicá-lo, de acordo com o costume curial: Angelo Scola, atual arcebispo de Milão.

Mas, entre os cardeais do mundo, muitos não aceitam a ideia de um conclave pré-preparado. Eles se recusam que seja interrompido o processo de internacionalização do papado. Um candidato de todo o respeito é o cardeal Marc Ouellet, canadense, ex-arcebispo de Quebec e agora à frente da influente Congregação para os Bispos. Ratzinger recém o nomeou como seu representante no Congresso Eucarístico Internacional, que se realizará em junho na Irlanda. Outros nomes começam a circular. Para a América do Sul, volta ciclicamente o nome do dinâmico e aberto cardeal hondurenho Óscar Maradiaga. Mas nada impede que a América Latina produza outros candidatos.

A novidade é o surgimento de dois purpurados norte-americanos: Timothy Dolan, arcebispo de Nova York e presidente da Conferência dos Bispos dos EUA, e Donald Wuerl, de Washington. Uma novidade porque até o último conclave de 2005 sempre foi dado por óbvio que um pontífice não poderia provir de um país que seja potência mundial. É verdade, porém, que o século XXI, rotulado pelos ideólogos do governo Bush como o "século norte-americano", revelou que os Estados Unidos não são capazes de ditar a sua vontade sobre o mundo, mesmo mantendo-se na cena internacional como o protagonista mais poderoso.

Olhando para o futuro da Igreja, o problema não está nos nomes, mas sim na plataforma dos candidatos. Quem está disposto a fazer reformas? E quais? Entre o Natal e a Páscoa, Bento XVI voltou duas vezes ao tema de uma Igreja a ser reformada. Colocando um ponto de interrogação, que fique claro. Na Quinta-feira Santa, ele se referiu à Iniciativa dos Párocos Austríacos, que prometem uma espécie de desobediência civil acerca das questões do celibato e das ordenações femininas. Mas, como já é a práxis desse pontificado, Ratzinger não deu respostas concretas.

Nascido como um pontificado de transição, o reinado de Bento XVI transformou-se em estagnação. É um "papa da palavra", defende o seu secretário particular, Mons. Gänswein, e é verdade. O melhor está no seu papel de teólogo, pensador e pregador. Mas, enquanto isso, o peso da Santa Sé no cenário mundial caiu drasticamente, e no mundo da mídia internacional a atenção reservada ao papado se rarefez. As relações ecumênicas são corteses, mas estão bloqueadas. As relações com o Islã e o judaísmo são corteses, mas inoperantes. A falta de padres nas paróquias e o declínio das ordens religiosas femininas (que em seis anos perderam 50 mil unidades) questões assuntos afastados. Sobre a ideia maluca do governo israelense de lançar um ataque contra o Irã, o Vaticano se cala.

Desafiando a sua fragilidade (os problemas cardíacos, a artrose, os incômodos que parecem lhe afligir), Bento XVI começou novamente a fazer viagens intercontinentais, o que ele parecia ter arquivado depois da Austrália em 2008. Benin, México, Cuba, Líbano em setembro próximo e talvez o Brasil em 2013: quase preparando, com tais façanhas, a sua saída de cena, quando as forças tiverem que abandoná-lo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um pontificado rumo ao crepúsculo? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV